Moraes é sorteado novo relator do inquérito que apura interferência na PF

O pedido de redistribuição foi feito pela defesa de Sergio Moro, que também é investigado no caso

Gabriela Coelho e Gabrielle Varela, da CNN, em Brasília

Ouvir notícia

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), é o novo relator do inquérito que apura suposta interferência do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na Polícia Federal. O pedido de redistribuição foi feito pela defesa de Sergio Moro, que também é investigado no caso.

Em nota, Fux informou que atenderá ao pedido dos advogados “em função da celeridade inerente a um inquérito”. Na prática, a medida impede que Kassio Nunes Marques, escolhido por Bolsonaro para o lugar de Celso de Mello, o antigo relator, assuma a investigação, caso seja aprovado na sabatina e preencha a vaga na corte.

Assista e leia também

Marco Aurélio suspende inquérito sobre suposta interferência de Bolsonaro na PF

‘Celso de Mello acertou’, diz advogado sobre depoimento presencial de Bolsonaro

‘Não se pede nenhum privilégio’, diz Bolsonaro sobre depoimento por escrito à PF

O último feito no caso foi a decisão de Celso de ordenar que o presidente preste depoimento presencialmente. O ex-decano manteve sua posição na sessão plenária de 8 de outubro –sua última na Corte. O debate foi suspenso. Não há data para ser retomado.

A investigação foi aberta após Sergio Moro deixar a pasta da Justiça e Segurança Pública afirmando que o presidente tentou interferir no comando da PF. O ex-ministro citou no processo falas de Bolsonaro na reunião ministerial do dia 22 abril, em que o presidente comentou a atuação da PF na direção-geral e na superintendência do Rio de Janeiro. Bolsonaro tem negado qualquer irregularidade.

Na última sessão no STF antes da aposentadoria, o ministro Celso de Mello votou contra o recurso da Advocacia-Geral da União (AGU) que solicitava que Bolsonaro prestasse depoimento no inquérito por escrito.

O então decano, que era o relator do inquérito no STF, afirmou que o depoimento por escrito seria um “privilégio” e que este direito não é garantido por lei ao presidente da República quando ele figurar como investigado no caso.

 

Mais Recentes da CNN