Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Alexandre Garcia: CPI finge que não compreende as mortes relacionadas à Covid-19

    No quadro Liberdade de Opinião desta quinta-feira (23), o jornalista avaliou o depoimento do diretor da Prevent Senior, Pedro Batista Júnior, à CPI da Pandemia

    Da CNN Em São Paulo

    No quadro Liberdade de Opinião desta quinta-feira (23), o jornalista Alexandre Garcia avaliou o depoimento do diretor da Prevent Senior, Pedro Batista Júnior, à CPI da Pandemia. A empresa é acusada de irregularidades no tratamento de pacientes que contraíram a Covid-19. Em depoimento, o diretor-executivo afirmou que a Prevent Senior nunca falsificou prontuários, mas após ser confrontado com provas pelos senadores, admitiu que houve a orientação para troca do código que identifica pacientes com a doença.

    “Veja só a ironia, o presidente da CPI (Omar Aziz) é investigado, o relator (Renan Calheiros) é investigado e os depoentes são considerados por eles investigados. O senador ortopedista chega a fazer acusações graves sobre o médico”, afirma.

    Garcia defende o protocolo da Prevent Senior.

    “É totalmente compreensível, só a CPI finge que não compreende. A pessoa que entra num hospital sob suspeita de uma doença altamente contagiosa, tem que ser considerada como se tivesse a doença altamente contagiosa até que se prove o contrário, para a segurança de todo mundo. Isso está tão claro. Depois, se não for comprovada a suspeita, põe-se o código da doença. Essa é uma boa oportunidade para levantar a quantidade de denúncias de pessoas que foram enterradas com diagnóstico de Covid-19, mesmo com as famílias falando que não foi absolutamente essa doença”, disse o jornalista.

    O Liberdade de Opinião teve a participação de Augusto de Arruda Botelho e Alexandre Garcia. O quadro vai ao ar diariamente na CNN.

    Alexandre Garcia no quadro Liberdade de Opinião
    Alexandre Garcia no quadro Liberdade de Opinião / CNN Brasil (23.set.2021)

    As opiniões expressas nesta publicação não refletem, necessariamente, o posicionamento da CNN ou seus funcionários.