Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Após críticas de bolsonaristas, Teich defende cloroquina com ‘avaliação médica’

    Ministro da Saúde publica mensagens em que fala sobre o uso do medicamento como autorizado pela pasta e diz que acompanha estudos de outros dez medicamentos

    O ministro da Saúde, Nelson Teich, publicou mensagens sobre uso da cloroquina contra o novo coronavírus
    O ministro da Saúde, Nelson Teich, publicou mensagens sobre uso da cloroquina contra o novo coronavírus Foto: Reprodução (4.mai.2020)

    O ministro da Saúde, Nelson Teich, usou a conta que mantém no Twitter para defender, nesta terça-feira (12), o uso da cloroquina em tratamentos contra o novo coronavírus.

    “O @minsaude em 23.03 informou que a cloroquina pode ser prescrita para pacientes hospitalizados. O @Medicina_CFM, em 23.04, entendeu a excepcionalidade em que vivemos e possibilitou o uso em outras situações”, escreveu o ministro, citando sua pasta e o Conselho Federal de Medicina (CFM), na primeira de uma série de mensagens.

    Teich ressaltou, no entanto, que o uso da cloroquina ocasiona efeitos colaterais. “Então, qualquer prescrição deve ser feita com base em avaliação médica”, escreveu.

    O ministro afirmou ainda que ele e sua equipe acompanham as pesquisas no país e no exterior sobre possíveis tratamentos para a Covid-19 e forneceu um link para uma página no site do Ministério da Saúde em que são listados, diariamente, evidências na literatura sobre diagnóstico e tratamento da doença.

    Por fim, Teich disse que está em contato com pesquisadores e laboratórios para garantir a oferta de uma proteção, quando ela existir, para a população brasileira. “Queremos também nos preparar para a possível descoberta de uma vacina contra a doença.”

    Assista e leia também:

    Saúde anuncia diretriz para isolamento, mas adia detalhamento das medidas

    Brasil está voltando a ser país da fome, diz Bolsonaro sobre decisões estaduais

    Críticas de bolsonaristas

    O ministro da Saúde, que assumiu a pasta em 16 de abril após o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) demitir Luiz Henrique Mandetta, enfrenta críticas de apoiadores bolsonaristas nas redes sociais, além de políticos alinhados com o presidente.

    De acordo com a colunista da CNN Basília Rodrigues, auxiliares do presidente já trabalham com a possibilidade de uma nova troca no Ministério da Saúde, especialmente depois da decisão do presidente de classificar academias e salões como atividades essenciais, sem consultar Teich.

    O nome do deputado federal Osmar Terra, cotado para substituir Mandetta, voltou a ser citado no caso de uma nova troca no Ministério da Saúde.