Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Após presidente do PL confirmar Ramagem para o Rio, Flávio Bolsonaro diz que martelo não está batido

    Presidente do PL disse ainda que o nome teria sido escolhido oficialmente pelo próprio Jair Bolsonaro

    O senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ)
    O senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) Edilson Rodrigues/Agência Senado

    Larissa Rodriguesda CNN

    Brasília

    O senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) afirmou, nesta quinta-feira (2), que ainda não está definido quem será o candidato do PL à Prefeitura do Rio de Janeiro em 2024.

    “O martelo não está batido”, disse o parlamentar e filho mais velho do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL).

    A afirmação chega depois de o presidente do partido, Valdemar Costa Neto, ter garantido que o deputado Delegado Ramagem (PL-RJ) seria o candidato da legenda no ano que vem.

    O presidente do PL disse ainda que o nome teria sido escolhido oficialmente pelo próprio Jair Bolsonaro.

    Já Flávio Bolsonaro afirmou que o PL tem bons nomes para as eleições municipais do Rio e citou, além de Ramagem, o senador Carlos Portinho e o deputado federal Luiz Lima.

    “São perfis diferentes de pré-candidatos, a forma como será tomada a decisão, tudo bem conversado e alinhado, é tão importante quanto o nome em si”, completou.

    O nome de Ramagem ganhou força nesta semana depois de o general Braga Netto, então mais cotado pelo PL para concorrer à prefeitura da cidade, ter sido declarado inelegível pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

    Braga Netto foi condenado por abuso de poder e uso indevido dos meios de comunicação durante a comemoração do 7 de setembro de 2022, assim como o ex-presidente Bolsonaro.

    Por outro lado, segundo fontes, o presidente do PL teria lançado o nome de Ramagem como oficial já nesta quarta-feira para testar sua rejeição.

    Isso porque, nos últimos dias, o agora deputado federal, que chefiou a Agência Brasileira de Investigação (Abin), se viu em meio a uma investigação de que a agência teria monitorado centenas de adversários políticos de Bolsonaro, jornalistas e ministros do Supremo Tribunal Federal (STF).