Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Eleições 2022

    Bolsonaro liga para família de petista assassinado em Foz do Iguaçu

    Pesidente convidou os dois irmãos de Marcelo Arruda a participarem de uma coletiva de imprensa sobre o assassinato nesta quinta-feira

    Leandro Resendeda CNN

    no Rio de Janeiro

    O presidente Jair Bolsonaro (PL) conversou nesta terça-feira (12) com familiares de Marcelo Arruda, militante do PT que foi assassinado em Foz do Iguaçu, no Paraná, no último final de semana.

    O presidente convidou os dois irmãos de Marcelo Arruda que conversaram com ele para participarem de uma coletiva de imprensa sobre o assassinato nesta quinta-feira (14). Pelo vídeo da conversa – de cerca de 12 minutos – não é possível concluir se eles aceitaram o convite.

    Durante a conversa, o presidente Jair Bolsonaro disse que não iria discutir política e esclareceu o motivo do convite aos irmãos. “Agora a possível vinda de vocês a Brasília na quinta, se vocês concordarem e se puderem, é ter uma coletiva pra imprensa e vocês falarem o que aconteceu de fato aconteceu”, disse o presidente. Ele falou ainda que “tudo leva a crer que era um desequilibrado”, referindo-se ao autor dos disparos contra Marcelo Arruda.

    Um dos irmãos de Marcelo disse que não aceita que a “esquerda” use o caso de seu irmão como “palco de politicagem”. “Isso aí não ‘tamo’ aceitando, de forma alguma. Falar a verdade tudo bem, mas usar o meu irmão como palco de política, isso aí não ‘tamos’ aceitando”.

    O encontro virtual foi intermediado pelo deputado federal Otoni de Paula (MDB-RJ), que disse à CNN ter ido até Foz do Iguaçu a pedido do presidente Jair Bolsonaro. O parlamentar afirmou que foi informado de que a “família de Marcelo Arruda era plural”, e que dois irmãos dele eram “bolsonaristas”.

    Marcelo Arruda foi morto no último sábado (9) durante a sua festa de aniversário por um apoiador de Bolsonaro. A celebração era dedicada ao ex-presidente Lula e ao PT. Segundo testemunhas, o atirador gritou “aqui é Bolsonaro”, ao invadir a festa.