Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Eleições 2022

    Candidatos aos governos estreiam no rádio e na TV; veja o tempo de cada um

    Horário eleitoral gratuito começa nesta sexta-feira (26); 16 governadores que buscam a reeleição lideram a distribuição de tempo

    No primeiro turno, candidatos e partidos terão o horário eleitoral no rádio e na TV para veicular propaganda das campanhas até 29 de setembro
    No primeiro turno, candidatos e partidos terão o horário eleitoral no rádio e na TV para veicular propaganda das campanhas até 29 de setembro Arte CNN

    Danilo MoliternoLeonardo Rodriguesda CNN em São Paulo

    Os candidatos aos governos estaduais terão, a partir desta sexta-feira, 40 minutos, três vezes por semana, para promover suas campanhas por meio da propaganda eleitoral gratuita exibida no rádio e na televisão.

    O horário eleitoral gratuito dos candidatos a governador, senador, deputados estaduais e distritais será exibido às segundas, quartas e sextas-feiras, até 29 de setembro. São 25 minutos em cada programa: no rádio, o horário vai das 7h às 7h25 e das 12h às 12h25; na TV aberta, das 13h às 13h25 e das 20h30 às 20h55. O primeiro turno das eleições está marcado para 2 de outubro.

    O tempo dedicado aos governadores ocupa os últimos dez minutos dos programas, começando às 7h15 e 12h15 no rádio e às 13h15 e 20h45 na TV aberta.

    Durante seus minutos, rivalizam. A disputa pela atração do eleitorado pelas chapas que concorrem a uma cadeira no Executivo estadual começa já na divisão do tempo de propaganda, que se baseia na bancada de cada partido ou coligação na Câmara dos Deputados.

    Levantamento da CNN mostra o tempo de rádio e TV de cada candidato a governo estadual, com base nos dados oficiais divulgados pelos Tribunais Regionais Eleitorais (TREs) das unidades federativas. Confira abaixo o tempo de cada concorrente ou de cada estado:

    Discrepância, polarização e equilíbrio

    Para garantir tempo no horário eleitoral gratuito, muitos partidos se uniram em coligações, que muitas vezes não coincidem com a corrida presidencial. Em alguns casos, siglas que rivalizam nacionalmente se unem para os pleitos locais – e o contrário também acontece.

    No Pará, por exemplo, o governador Helder Barbalho (MDB) reuniu partidos que vão da direita à esquerda no espectro político: PSDB, Cidadania, PT, PCdoB, PV, PP, PSD, PDT, Republicanos, Avante, Podemos, União Brasil, DC, PTB e PSB, além de sua própria legenda, em prol de sua reeleição.

    Com isso, o emedebista assegurou 7 minutos e 27 segundos de exposição por bloco de propaganda. Ele é o candidato a governo estadual com maior tempo de TV e rádio nas eleições de 2022.

    Em seguida, aparece Clécio Luís (Solidariedade), que disputa o Executivo do Amapá. Ele acumula 6 minutos e 32 segundos. Postulante à reeleição no Espírito Santo, Renato Casagrande (PSB) ficou em terceiro, com 6 minutos e 14 segundos.

    No total, sete candidatos a governador superam 5 minutos em tempo de propaganda. Além dos três citados, Carlos Brandão (PSB-MA), Mauro Mendes (União Brasil-MT), Ratinho Júnior (PSD-PR) e Ronaldo Caiado (União Brasil-GO) integram a lista. Seis deles disputam a reeleição.

    Por outro lado, na Paraíba, apenas 8 segundos separam os períodos de publicidade gratuita de Pedro Cunha Lima (PSDB) e do governador João Azevedo (PSB).

    No Ceará, a diferença é de 13 segundos entre Capitão Wagner (União) e Elmano Freitas (PT), que têm 3 minutos e 50 segundos e 3 minutos e 37 segundos, respectivamente.

    A competitividade local faz com que Roberto Cláudio (PDT) seja o terceiro no Ceará com maior fatia de propaganda: o pedetista tem pouco mais de 2 minutos e meio por bloco para divulgar sua campanha. No estado, somente três concorrentes têm espaço na propaganda eleitoral gratuita — assim como no Amapá.

    Ainda no Nordeste, o Rio Grande do Norte apresenta um horário eleitoral polarizado. Fábio Dantas (Solidariedade) tem 4 minutos e 57 segundos, e a governadora Fátima Bezerra (PT) aparece com 52 segundos a menos. Os demais concorrentes no estado não ultrapassam os 30 segundos.

    O Piauí tem panorama semelhante: Silvio Mendes (União Brasil) tem 4 minutos, e Rafael Fonteles (PT), 3 minutos e 50 segundos. Os demais não atingem 1 minuto de propaganda eleitoral.

    O cenário é bastante diferente no Acre. Ao todo, cinco candidatos têm mais de 1 minuto de propaganda. Nenhum, porém, atinge os 3 minutos. O candidato à reeleição Gladson Camelli (PP) acumula 2 minutos e 56 segundos; o quinto colocado, Sergio Petecão (PSD), 1 minuto e 20 segundos.

    Líderes estaduais

    O União Brasil é a legenda que lidera o tempo de propaganda em mais estados, com nove. PSB e PSDB, que têm quatro lideranças, vêm em seguida.

    Coligado à chapa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nacionalmente, o Solidariedade lidera em três estados, mas a menor fatia desse tempo provém do próprio partido, que elegeu 13 deputados federais em 2018. A legenda, porém, costurou alianças robustas no Amapá e no Rio Grande do Norte.

    Partidos dos dois candidatos à Presidência com mais tempo de propaganda, o PT não lidera em nenhum estado, enquanto o PL de Jair Bolsonaro tem a maior exposição somente no Rio de Janeiro.

    Debate

    As emissoras CNN e SBT, o jornal O Estado de S. Paulo, a revista Veja, o portal Terra e a rádio NovaBrasilFM formaram um pool para realizar o debate entre os candidatos à Presidência da República, que acontecerá no dia 24 de setembro.

    O debate será transmitido ao vivo pela CNN na TV e por nossas plataformas digitais.

    Fotos — Os senadores em fim de mandato