Candidatos criticam Lula por ataque a Zelensky em entrevista à ‘Time’

Petista disse à publicação achar “esquisito” o comportamento ucraniano.; opositores criticam petista e revista por dar espaço

Capa da revista Time com o ex-presidente Lula (PT)
Capa da revista Time com o ex-presidente Lula (PT) Reprodução/Time

Da CNN

São Paulo

Ouvir notícia

Em entrevista para a revista norte-americana ‘Time’, divulgada nesta quarta-feira (4) o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou que o presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelensky, “quis a guerra” com a Rússia e também criticou o líder russo, Vladimir Putin. O candidato petista à Presidência disse à publicação achar “esquisito” o comportamento do presidente ucraniano.

“Você fica estimulando o cara [Zelensky] e ele fica se achando o máximo. Ele fica se achando o rei da cocada, quando na verdade deveriam ter tido conversa mais séria com ele: ‘Ô, cara, você é um bom artista, você é um bom comediante, mas não vamos fazer uma guerra para você aparecer’. E dizer para o Putin: ‘Ô, Putin, você tem muita arma, mas não precisa utilizar arma contra a Ucrânia. Vamos conversar!’”, afirmou Lula para a revista.

A fala sobre Zelensky repercutiram entre òutros candidatos à Presidência e nomes do meio político nacional.

O pré-candidato pelo PDT, Ciro Gomes, comentou as declarações de Lula em uma entrevista após um evento na cidade de Osasco, na Grande São Paulo.

“Essa posição da Rússia tem que ser condenada, precipitou a China. Isto está introduzindo a linguagem da guerra como solução de conflitos, e alguns conflitos potenciais nós precisamos cuidar porque senão a humanidade vai para a violência de um genocídio, de uma extinção em massa. Vê e pode a gente tratar esse assunto com essa leviandade e demagogia do Lula”, declarou o pedetista.

“Dizer que Zelensky é tão culpado quanto Putin é exaltar o autoritarismo e depreciar o líder da Ucrânia, vítima de crimes de uma guerra cruel. Isola o Brasil das posições mais razoáveis do Ocidente. A democracia deve condenar as agressões e o conflito. O mundo quer paz”, disse João Doria, atual candidato do PSDB à Presidência da República em uma publicação em seu perfil no Twitter, rede mais utilizada entre os políticos para comentar as falas de Lula.

O partido de Doria também fez uma postagem para rechaçar a declaração de Lula sobre a guerra. “Mostram que o fato de ele se apresentar como o candidato do resgate da democracia brasileira é uma fraude. Sobre [Jair] Bolsonaro já sabemos, mas a verdade é que Lula sempre concordou com políticas ditatoriais”.

Sergio Moro (União Brasil), questionou a postura do ex-presidente petista na entrevista. “Lula, na entrevista na ‘Time’, culpa Zelensky, Biden e a União Europeia pela guerra na Ucrânia. Mal disfarça o seu desprezo por Zelensky e a sua preferência por Putin e por regimes autoritários. Esta é a via democrática?”, declarou o ex-juiz, também pelo Twitter.

Outras autoridades também se manifestaram. O ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno, criticou a revista por dar espaço para Lula. “Revista ‘Time’ menospreza a memória e a inteligência dos brasileiros de bem. Lamento que enalteça e dê espaço a quem tanto mal fez ao Brasil e, com seu vice, canta o Hino da Internacional Socialista”, declarou o ministro de Jair Bolsonaro.

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP) também criticou a publicação. “Revista ‘Time’ falando que ‘Lula volta de um exílio político’. Ué, prisão por crimes de corrupção mudou de nome?”, questionou o parlamentar, filho do presidente.

O petista  Arlindo Chinaglia (SP), deputado federal, exaltou a publicação da entrevista de Lula pela revista norte-americana. “Enquanto o Brasil de #Bolsonaro é renegado em eventos internacionais, como o caso do G7 esse ano, Lula é destaque da revista #Time para recolocar o Brasil em devido seu lugar”, declarou o parlamentar.

(Publicado por Carolina Farias)

Mais Recentes da CNN