Ciro, Doria e d’Avila lembram Dia Mundial da Liberdade de Imprensa nas redes

Pré-candidatos relacionam princípio da liberdade de imprensa com a democracia; Brasil aparece na 110ª posição em ranking de liberdade de imprensa criado pela ONG Repórteres Sem Fronteiras

Colete de imprensa usado na Venezuela
Colete de imprensa usado na Venezuela Foto: Renan Fiuza/CNN

Felipe Romeroda CNN

São Paulo

Ouvir notícia

O dia três de maio marca mundialmente o Dia Mundial da Liberdade de Imprensa e em ano eleitoral a data ganha novos contornos. Os pré-candidatos Ciro Gomes (PDT), João Doria (PSDB) e Luiz Felipe d’Avila (Novo) manifestaram-se pelas redes sociais celebrando a data.

“No Dia Mundial da Liberdade de Imprensa faço questão de dizer que a liberdade de expressão é o oxigênio que faz respirar as democracias, e reafirmar que o único controle da mídia aceitável é o do controle remoto na mão do cidadão consciente”, escreveu Ciro Gomes em sua conta de Twitter.

Já o tucano João Doria, celebrou o direito da investigação: “Hoje é Dia da Liberdade de Imprensa, um princípio inegociável da democracia. Liberdade para investigar, questionar e informar. Valores fundamentais que o Brasil e seu povo devem defender”, escreveu, também no Twitter.

O pré-candidato do Novo, Felipe d’Avila, também manifestou-se sobre a data que celebra a liberdade de imprensa. “Ação fundamental para nos melhorar como indivíduos, gestores e representantes da população. Governos populistas que limitam esse direito, na realidade, temem a verdade”, escreveu, também em sua conta no Twitter.

Segundo levantamento da ONG Repórteres Sem Fronteiras, o Brasil vive uma época “difícil” para a liberdade de atuação da imprensa e coloca o país na 110ª colocação no ranking mundial de Liberdade de Imprensa.”

A desconfiança em relação à imprensa, alimentada pela retórica antimídia e pela banalização do discurso estigmatizante da classe política ganhou mais terreno”, relata a RSF em seu relatório anual.

 

Mais Recentes da CNN