Com anúncio, governo tenta frear movimento ‘social’ do Congresso

Anúncio não ocorreu junto com o que seria o normal, a assinatura dele, seja da MP, seja da sanção ao PL

Caio Junqueirada CNN

Ouvir notícia

O anúncio feito pelo presidente Jair Bolsonaro no início da tarde desta quarta-feira teve como um dos objetivos frear o movimento crescente no Congresso Nacional de aprovar medidas sociais diante da demora do governo em viabilizar algumas delas, como a sanção do projeto do coronavoucher e a Medida Provisória que suspende os contratos de trabalho.

Tanto é assim que o anúncio não ocorreu junto com o que seria o normal, a assinatura dele, seja da MP, seja da sanção ao PL. Bolsonaro apenas disse que as medidas sairão “entre hoje e amanhã”. Frisou o tamanho do pacote, deu a palavra ao ministro da Economia, Paulo Guedes, e logo saiu em retirada.

Assista e leia também:

Governo promete até R$ 200 bilhões contra efeitos do coronavírus na economia

Trata-se de um movimento para frear outro, crescente no Congresso, de avançar no debate sobre medidas sociais até como forma de pressionar o governo a tomar logo as decisões que lhe cabe sobre elas.

No caso do emprego, três propostas estão colocadas na mesa. A do líder do DEM, Efraim Filho, outro do líder do PDT, André Figueiredo, e mais uma do deputado José Guimarães. Todas elas relacionadas à MP do contrato de trabalho, anunciada há mais de uma semana pelo governo.

O gesto do presidente e a própria movimentação do governo deixam claro que por trás das iniciativas dos dois poderes, há uma disputa pela paternidade das medidas sociais implementadas em reação ao coronavírus no Brasil.

Mais Recentes da CNN