Com pandemia no auge, apoio a Bolsonaro cai, mostram pesquisas

Levantamentos mostram uma oscilação negativa na aprovação da gestão do chefe do Executivo

Decreto editado pelo presidente Jair Bolsonaro ampliou para 120 dias o prazo máximo da suspensão de contratos e redução de salário e jornada
Decreto editado pelo presidente Jair Bolsonaro ampliou para 120 dias o prazo máximo da suspensão de contratos e redução de salário e jornada Foto: Adriano Machado -23.jun.2020/ Reuters

Renato Barcellos, da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

Duas pesquisas divulgadas nesta semana apontam um aumento da rejeição popular ao governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Elaboradas respectivamente pela XP/Ipespe e pela EXAME/IDEIA, os levantamentos mostram uma oscilação negativa na aprovação da gestão do chefe do Executivo. Foram questionados também itens como vacinação e condução da pandemia.

Aprovação e rejeição

De acordo com o levantamento realizado pela XP/Ipespe, a porcentagem de pessoas que consideram a administração Bolsonaro ruim ou péssima é de 45%. A pesquisa produzida pela EXAME/IDEIA indica uma rejeição de 46%.

Já a porcentagem que aprova a gestão do presidente ficou em 30%, de acordo com a XP/Ipespe. Segundo o levantamento realizado pela EXAME/IDEIA, a parcela da população que avalia o governo como ótimo ou bom é de 28%.

XP/IPESPE

Desaprovação: Passou de 42% em fevereiro para 45% em março.

Aprovação: Era de 31% em fevereiro, agora, em março, está em 30%. 

Regular: Manteve os 24%.

Não sabe ou não respondeu: Caiu de 3% para 1%.

EXAME/IDEIA

Desaprovação: Passou de 43% em fevereiro para 46% em março.

Aprovação: Era de 31% em fevereiro, agora, em março, está em 28%. 

Regular: Manteve os 24%

Não sabe ou não respondeu: Manteve os 2%

Enfrentamento à pandemia

Sobre a atuação do chefe do Executivo em relação à pandemia de Covid-19, 61% dos brasileiros consideram ruim ou péssima, de acordo com a pesquisa XP/Ipespe. A porcentagem dos que aprovam a forma como Bolsonaro enfrenta a pandemia é de 18%.

Ruim ou péssima: Passou de 53% em fevereiro para 61% em março.

Boa ou ótima: Caiu de 22% em fevereiro para 18% em março.

Regular: Caiu de 22% em fevereiro para 18% março.

Não sabe ou não respondeu: Subiu de 2% em fevereiro para 3% em março.

Vacinação

Em relação à culpa pela lentidão da vacinação no país, 52% dos entrevistados apontam para o presidente, 19% para o governador do seu respectivo estado e 4% para o prefeito, segundo o levantamento da EXAME/IDEIA. 26% não souberam responder. 

Sobre as pesquisas:

XP/Ipespe: Foram realizadas 800 entrevistas de abrangência nacional, nos dias 9, 10 e 11 de março. A margem de erro é de 3,5 pontos percentuais para mais ou para menos.

EXAME/IDEIA: Foram realizadas 1.200 entrevistas de abrangência nacional, nos últimos 15 dias. A margem de erro é de 3 pontos percentuais para mais ou para menos.

Mais Recentes da CNN