Comunidades e igrejas negras foram fundamentais para Biden, afirma pesquisador

Teólogo Ronilso Pacheco também destacou o trabalho da advogada e ex-deputada Stacey Abrams na Geórgia, estado que pode render 16 delegados aos democratas

Da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

Em entrevista à CNN, o teólogo e pesquisador da Universidade de Columbia, Ronilso Pacheco, destacou a importância da mobilização da comunidade negra dos Estados Unidos para o fortalecimento da candidatura do democrata Joe Biden. 

Ele destacou o papel decisivo dos negros e negras para que Biden pudesse virar e ter um melhor desempenho, até mesmo, em alguns estados majoritariamente brancos.

Acompanhe em tempo real a apuração nos EUA

“A mobilização da comunidade negra, por movimentos de ativistas e artistas negros, foi fundamental. Foi tão determinante para a virada e para o desempenho do Joe Biden, quanto a própria estratégia do partido democrata”, afirma. 

Com relação à Geórgia, Pacheco evidencia o trabalho da advogada e ex-deputada Stacey Abrams como responsável para que o estado escolhesse, pela primeira vez desde 1992, um candidato democrata. Para o pesquisador e teólogo, a atuação das igrejas negras também tiveram papel crucial no resultado pró-Biden. “Essa mobilização que vem do trabalho gradativo da Stacey Abrams, com a mobilização das igrejas negras, é tão determinante nessa virada, quanto todo o trabalho do Black Lives Matter (Vidas Negras Importam)”, analisa.

Leia também:
O que esperar da apuração nos 4 estados que podem decidir a presidência dos EUA
Democratas ampliaram votação em cidades onde negros foram mortos pela polícia
Sete coisas que aconteceram no mundo enquanto só se falava de eleições nos EUA

Contudo, Pacheco diz que Biden teve muito menos votos da comunidade negra do que o candidato esperava. Ele associa estes números a uma possível desconfiança dos negros americanos em relação ao Partido Democrata. “Tem na memória da comunidade negra as oportunidades que o Partido Democrata teve para fazer uma mudança estrutural, que era esperada, sobretudo na questão da justiça, da justiça penal, do encarceramento em massa”.

A escolha de Kamala Harris como vice de Biden pode ser vista como uma tentativa de reconquista, uma vez que ela seria mais acessível. “A primeira missão: tirar Trump da Casa Branca. A segunda: a gente precisa rever como o Partido Democrata, embora tenha a Kamala Harris, vai efetivamente ouvir as reivindicações de décadas da comunidade negra”.

(Edição: André Rigue)

Mais Recentes da CNN