Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Congressistas reagem a manifestações das Forças Armadas contra CPI

    Renan Calheiros (MDB-AL) pediu o apoio dos presidentes da Câmara e do Senado aos trabalhos da comissão

    Fachada do Congresso Nacional
    Fachada do Congresso Nacional Foto: Pedro França/Agência Senado (7.jan.2019)

    Daniela Limada CNN

    A escalada no tom de comandantes das Forças Armadas diante do avanço da CPI da Pandemia gerou uma reação em setores do Congresso e da política, com presidentes de partidos de centro pregando articulação pró-democracia e contra qualquer ameaça de autoritarismo.

    Na última terça, o Ministério da Defesa e os comandantes das três armas divulgaram nota dizendo não tolerar acusações contra as instituições. Nesta quinta, o comandante da Aeronáutica, Carlos de Almeida Baptista Júnior, disse em entrevista ao jornal O Globo que há incômodo com o tratamento da CPI ao general Eduardo Pazuello e ao ex-braço direito dele no Ministério da Saúde, o coronel Elcio Franco.

    A entrevista escandalizou políticos de diversos grupos. O ex-presidente da Câmara, Rodrigo Maia (sem partido-RJ) decidiu vocalizar o incômodo. “Esse comandante da Aeronáutica passou de todos os limites. E se as Forças Armadas estiverem atentas aos seus deveres ele deveria ser afastado.”

    Nesta manhã, o relator da CPI da Pandemia, senador Renan Calheiros (MDB-AL), também externou seu incômodo. Ele pediu o apoio dos presidentes da Câmara e do Senado aos trabalhos da comissão. “Nós não podemos ter medo de arreganhos, de ameaças, de intimidações, de quarteladas. Nós vamos investigar.”

    O relator da CPI explicitou que não são instituições, mas pessoas que ocuparam cargos públicos em um governo civil que estão tendo suas condutas apuradas. “Temos responsabilidade. Apuraremos o que houve nos porões do Ministério da Saúde.”