Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Corpo do pai do ex-presidente Collor deve ser exumado, decide STJ

    Motivo é um pedido feito na Justiça por um homem que alega ser filho de Arnon de Mello, que morreu em 1983

    O senador Arnon de Mello, morto em 1983, era pai do ex-presidente Fernando Collor de Mello
    O senador Arnon de Mello, morto em 1983, era pai do ex-presidente Fernando Collor de Mello Divulgação/Senado Federal

    Leonardo Ribbeiroda CNN Em Brasília

    A terceira turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) rejeitou, por unanimidade, um recurso que buscava impedir a exumação dos restos mortais do ex-senador Arnon Affonso de Farias Mello, pai do ex-presidente da República Fernando Collor de Mello.

    O motivo da exumação é um pedido feito na Justiça por um homem que alega ser filho de Arnon, que morreu em 1983. O STJ julgou ser legítima a solicitação. Mas a família Collor recorreu da decisão, alegando que é preciso preservar o corpo, a intimidade e a dignidade do ex-senador mesmo após a sua morte.

    Veja também: STF tem maioria para condenar Fernando Collor por corrupção na BR Distribuidora

    O relator do processo, ministro Mauro Ribeiro, rejeitou a argumentação e decidiu que o suposto filho tem direito de esclarecer a parentalidade por “todos os meios legais e moralmente legítimos”.

    Uma alternativa à exumação seria o exame de DNA a ser feito com material genético dos filhos reconhecidos de Arnon. No entanto, os familiares refutam essa hipótese.

    A defesa da família Collor informou à CNN que vai recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF) e que não irá se pronunciar sobre o mérito do caso em razão do processo estar em segredo de justiça.