Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Decisão de Toffoli abre brecha para anular acordos de leniência da Odebrecht no Brasil e no exterior

    CNN apurou que, a partir da chegada desse material ao Supremo, o próximo passo de Toffoli será o de considerar nula a leniência homologada em 2017

    Thais ArbexRenata Agostini

    A decisão do ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF), que anulou todas as provas obtidas no acordo de leniência da Odebrecht abriu brecha para anular o próprio acordo que a empreiteira firmou no Brasil e também no exterior.

    Em despacho de 135 páginas, Toffoli deu um prazo de dez dias para que a 13ª Vara Federal de Curitiba e o Ministério Público Federal (MPF) de Curitiba enviem ao Supremo “o conteúdo integral” de todos os documentos, anexos, apensos e expedientes relacionados ao acordo de leniência da Odebrecht e às colaborações premiadas vinculadas à tratativa.

    Vídeo: AGU criará força-tarefa para cumprir decisão de Toffoli

    O ministro determina, inclusive, que sejam remetidos ao tribunal “documentos recebidos do exterior, por vias oficiais ou não” –o que inclui vídeos e áudios desde as primeiras reuniões para o fechamento do acordo.

    A CNN apurou que, a partir da chegada desse material ao Supremo, o próximo passo de Toffoli será o de considerar nula a leniência homologada em 2017.

    Integrantes da Corte e do governo ouvidos em caráter reservado avaliam que a decisão desta quarta-feira (6) e seus possíveis desdobramentos terão impacto imediato nos acordos fechados fora do país.

    O entendimento é que, antes mesmo de uma possível anulação do acordo de leniência em si, a decisão de Toffoli já tem impacto internacional –réus e/ou investigados no exterior a partir das provas oriundas da tratativa da Odebrecht podem usar o despacho do ministro do Supremo como precedente para pedir a nulidade de seus processos.