Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Decisão de Toffoli pode levar à anulação de processos de mais de 400 políticos, dizem fontes

    Ministro do STF determinou que conteúdo integral do acordo de leniência da Odebrecht seja enviado à Corte em prazo de dez dias; ele considerou, nesta quarta, que o instrumento foi firmado às margens da lei

    Da CNN

    São Paulo e Brasília

    A decisão do ministro Dias Toffoli, do Supremo Tribunal Federal (STF), poderá causar a anulação de processos contra mais de 400 políticos.

    O magistrado determinou que o Ministério Público Federal (MPF) do Paraná e a 13ª Vara Federal de Curitiba entreguem o conteúdo integral do acordo de leniência da Odebrecht, inclusive os recebidos do exterior. No mesmo despacho, ele apontou que o acordo foi firmado às margens da lei.

    Após receber o documento completo, é provável que Toffoli anule delações dos 70 executivos da Odebrecht, ou parte delas, disseram fontes do governo e da área jurídica à CNN.

    O acordo de leniência fechado entre a Odebrecht e o MPF do Paraná previa a devolução de mais de R$ 3 bilhões aos cofres públicos pela empreiteira em 22 anos. O documento também teria apontado provas que levaram o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) a ser preso.

    A decisão de Toffoli atende um pedido da defesa de Lula.

    O magistrado defendeu que os métodos utilizados pela 13ª Vara Federal de Curitiba e pela força-tarefa da Lava-Jato foram ilegais e devem ser investigados.

    “Sob objetivos aparentemente corretos e necessários, mas sem respeito à verdade factual, os agentes públicos que atuaram na Lava Jato desrespeitaram o devido processo legal, descumpriram decisões judiciais superiores, subverteram provas, agiram com parcialidade e fora de sua esfera de competência”, escreveu.

    Diante da decisão, a Advocacia-geral da União (AGU) anunciou que irá criar uma força-tarefa para apurar eventuais desvios de agentes públicos e promover a reparação dos danos causados por decisões da 13ª Vara de Curitiba.

    Já o ministro da Justiça, Flávio Dino, afirmou que vai determinar que a Polícia Federal investigue o caso.

    “Caberá à Polícia Federal, em atendimento à determinação do ministro Dias Toffoli, reexaminar o que ele descreve na decisão como ilegalidades, sobretudo àquelas referentes à ausência dos requisitos e da cooperação jurídica internacional”, disse Dino.

    *Publicado por Pedro Jordão, da CNN em São Paulo, com informações de Marina Demori

    VÍDEO – Professor: decisão de Toffoli está em consonância com jurisprudência recente do STF