Defesa de Witzel solicitará provas periciais para postergar prazo do impeachment

O governador afastado tem 20 dias para apresentar defesa

Paula Martini, da CNN, no Rio de Janeiro

Ouvir notícia

 

A defesa do governador afastado Wilson Witzel (PSC) vai pedir ao Tribunal Especial Misto do impeachment a produção de provas periciais e testemunhais. A CNN apurou que a solicitação deve se debruçar sobre documentos que foram juntados pela Assembleia Legislativa do Rio, e é uma estratégia para que o processo não seja votado até janeiro de 2021.

 Na semana passada, o presidente do Tribunal de Justiça do Rio e do Tribunal Especial Misto, desembargador Cláudio de Mello Tavares, disse que não pode garantir que o julgamento seja concluído até meados de janeiro se a defesa solicitar a produção de provas documentais, testemunhais ou periciais. Isso porque, segundo Cláudio de Mello, essas provas precisam ser aprovadas pelo Tribunal e levam mais tempo para serem produzidas.

Leia também:

Fernando Molica: saída de Witzel das Laranjeiras é simbólica e caminho sem volta

Witzel não é o primeiro político a ter que sair do Laranjeiras

Moraes e Rosa Weber votam contra pedido de Witzel para impedir impeachment

O governador afastado foi notificado nesta segunda-feira sobre a decisão do Tribunal Misto que, na semana passada, aprovou por unanimidade a continuidade do processo. Agora, ele tem 20 dias para apresentar a defesa. A contestação vai seguir a mesma linha adotada desde a primeira fase do processo, insistindo que Witzel não cometeu crime de responsabilidade por não ter participado diretamente das ações do ex-secretário de Saúde Edmar Santos.

A CNN também apurou que a possibilidade de Wilson Witzel renunciar antes do fim do julgamento do Tribunal Misto tem crescido. O objetivo seria sair do cargo preservando os direitos políticos, que também vão ser julgados pelo grupo.

Mais Recentes da CNN