Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Forças Armadas planejam reunião particular com TSE

    Tentativa será feita após posse ministro Alexandre de Moraes; cerimônia está marcada para o dia 16 de agosto

    Kenzô Machidada CNN

    em Brasília

    Ouvir notícia

    O Ministério da Defesa planeja um encontro particular com os técnicos do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para discutir as propostas das Forças Armadas.

    O plano é fazer um novo contato assim que o ministro Alexandre de Moraes assumir a presidência da Corte, no próximo dia 16. A CNN apurou que generais do Alto Comando das Forças Armadas acreditam que a troca pode melhorar a relação dos militares com o TSE. A aposta tem como base a boa relação construída com Moraes, antes de ele se tornar ministro do STF.

    Moraes foi secretário de Segurança Pública de São Paulo, na gestão do ex-governador Geraldo Alckmin; e ministro da Justiça, no governo do ex-presidente Michel Temer.

    O Ministério da Defesa tem cobrado que propostas enviadas pelas Forças Armadas para as eleições sejam aceitas pelo TSE. Em junho, o próprio ministro Paulo Sergio Nogueira chegou a enviar documento pedindo uma reunião exclusiva com Fachin.

    O presidente do TSE, no entanto, disse que o assunto permaneceria sendo tratado apenas no âmbito da Comissão de Transparência das Eleições (CTE), também composta por representantes das Forças Armadas.

    O TSE afirma que, ao todo, acolheu 32 das propostas para as eleições deste ano. Um terço de autoria dos militares.

    Além das Forças Armadas, o colegiado recebeu apontamentos feitos por pessoas ligadas a instituições de transparência eleitoral, universidades e da Polícia Federal.

    Debate

    As emissoras CNN e SBT, o jornal O Estado de S. Paulo, a revista Veja, o portal Terra e a rádio NovaBrasilFM formaram um pool para realizar o debate entre os candidatos à Presidência da República, que acontecerá no dia 24 de setembro.

    O debate será transmitido ao vivo pela CNN na TV e por nossas plataformas digitais.

    Mais Recentes da CNN