Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Deputados democratas nos Estados Unidos pedem que Biden revogue visto de Bolsonaro

    Ao menos 41 parlamentares assintaram documento com pedido ao presidente americano

    Patricia Zengerleda Reuters

    Quarenta e um membros democratas da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos pediram ao governo do presidente Joe Biden nesta quinta-feira (12) que coopere com a investigação do Brasil sobre os protestos violentos em Brasília e revogue quaisquer vistos americanos do ex-presidente Jair Bolsonaro.

    Eles enviaram uma carta pedindo ao governo que apoie a democracia e o estado de direito no Brasil.

    “Além disso, não devemos permitir que o Sr. Bolsonaro ou qualquer outro ex-funcionário brasileiro se refugie nos Estados Unidos para escapar da justiça por quaisquer crimes que possam ter cometido durante o mandato”, diz a carta.

    Jair Bolsonaro, de extrema-direita, voou para a Flórida dois dias antes de seu mandato terminar em 1º de janeiro e o presidente Luiz Inácio Lula da Silva assumir o cargo.

    Apoiadores de Bolsonaro saquearam o Congresso, o Supremo Tribunal e o Palácio do Planalto no domingo (8), pedindo um golpe militar para derrubar a eleição de outubro vencida por Lula.

    Funcionários do Departamento de Estado e da Casa Branca não responderam a um pedido de comentário sobre a carta.

    O Departamento de Estado disse repetidamente que sua política é não discutir casos específicos de vistos. O secretário de Estado, Antony Blinken, disse na quarta-feira (11) que Washington não recebeu nenhum pedido específico do Brasil sobre Bolsonaro.

    Bolsonaro disse nas redes sociais que voltaria ao Brasil mais cedo do que o planejado por motivos médicos. Ele negou ter incitado seus apoiadores e disse que os manifestantes “passaram dos limites”.

    A carta foi liderada pelos representantes dos EUA Gregory Meeks, o principal democrata e ex-presidente do Comitê de Relações Exteriores da Câmara, Joaquin Castro, Ruben Gallego, Chuy Garcia e Susan Wild.

    Biden juntou-se a outros líderes mundiais na condenação da violência de domingo no Brasil.