Doria chama ex-homem forte de Covas, e Meirelles vai focar no setor privado

Ele vai assumir a secretaria de Gestão, cujas atribuições hoje estão sob responsabilidade do secretário da Fazenda e Planejamento, Henrique Meirelles

Governador do estado de São Paulo, João Doria, durante a coletiva de imprensa sobre Covid-19.
Governador do estado de São Paulo, João Doria, durante a coletiva de imprensa sobre Covid-19. Foto: Aloísio Maurício/Estadão Conteúdo

Iuri Pittada CNN

Ouvir notícia

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), vai convocar para sua equipe de governo o economista Mauro Ricardo Costa, ex-homem forte da gestão Bruno Covas na prefeitura paulistana. 

Ele será secretário de Projetos, Orçamento e Gestão, cujas atribuições estavam divididas entre a Secretaria de Governo, comandada pelo vice-governador Rodrigo Garcia, e a pasta da Fazenda e Planejamento, de Henrique Meirelles.

Com isso, o ex-ministro terá como prioridade de sua atuação buscar uma maior aproximação com o setor privado, com vistas à retomada da atividade econômica no estado. A avaliação no Palácio dos Bandeirantes é que o papel de Meirelles será fundamental para estimular empresários na recuperação da economia paulista e na busca por novos investimentos privados. 

Por sua vez, Mauro Ricardo ficará encarregado das funções mais internas da área econômica do governo estadual. Quadro técnico ligado ao senador José Serra (PSDB-SP), com quem trabalhou tanto na prefeitura de São Paulo quanto no Palácio dos Bandeirantes, o economista deixou em abril a Secretaria de Governo da gestão Covas na capital.

Assista e leia também:
Prefeitura de SP manterá protocolo de fiscalização da quarentena
Em 27 dias, São Paulo só atinge taxa mínima de isolamento social 4 vezes 

Antes, Mauro Ricardo trabalhou em outras gestões tucanas pelo país, em Minas Gerais e Paraná, e também na administração municipal de ACM Neto (DEM) em Salvador. Ele é reconhecido como um quadro técnico bastante competente tanto no controle de gastos das gestões quanto na busca de novas receitas fiscais. 

Com a queda na atividade econômica e nas receitas do governo de São Paulo, Doria e sua equipe reconhecem que será necessário adotar uma gestão bastante austera, uma das características de Mauro Ricardo. De forma complementar, o prestígio de Henrique Meirelles junto ao setor privado nacional e internacional é considerado fundamental para atrair recursos e condições para o reaquecimento da economia paulista.

Mais Recentes da CNN