Em carta, todos os ex-presidentes do TSE desde 1988 defendem urna eletrônica

Modelo atual é auditável 'em toda etapa do processo' e retorno ao papel significaria 'volta ao cenário das fraudes generalizadas', escrevem ministros

Giovanna Galvani, da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

Todos os ex-presidentes do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) desde a Constituição Federal de 1988, além do atual presidente, Luís Roberto Barroso, e dos futuros presidentes, os ministros Edson Fachin e Alexandre de Moraes, assinaram uma nota conjunta em defesa do sistema eletrônico de votação e com críticas ao modelo de voto impresso, defendido pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

O manifesto, divulgado nesta segunda-feira (02), afirma que desde 1996 – quando o sistema eletrônico foi instaurado definitivamente -, “jamais se documentou qualquer episódio de fraude nas eleições”, além de ressaltar que as urnas eletrônicas são auditáveis “em toda a etapa do processo, antes, durante e depois das eleições”.

“Todos os passos, da elaboração do programa à divulgação dos resultados, podem ser acompanhados pelos partidos políticos, Procuradoria-Geral da República, Ordem dos Advogados do Brasil, Polícia Federal, universidades e outros que são especialmente convidados. É importante observar, ainda, que as urnas eletrônicas não entram em rede e não são passíveis de acesso remoto, por não estarem conectadas à internet”, afirma a nota. 

Com a volta do recesso parlamentar nesta semana, está prevista para quinta-feira (05) o retorno da comissão especial que analisa a PEC do Voto Impresso. A expectativa é que a proposta seja rejeitada pela maioria dos parlamentares. No entanto, o tema vem acirrando os ânimos de aliados de Bolsonaro – que participou, por telefone, de uma manifestação no domingo (01) pela aprovação do projeto

Para os ex-ministros e futuros presidentes do TSE, o tribunal conseguiu “eliminar um passado de fraudes eleitorais que marcaram a história do Brasil, no Império e na República” que estaria ameaçado caso a impressão do voto em um papel voltasse a ser vigente no país.

“A contagem pública manual de cerca de 150 milhões de votos significará a volta ao tempo das mesas apuradoras, cenário das fraudes generalizadas que marcaram a história do Brasil”, destacaram. 

Os ministros ainda ressaltaram que alguns países sem o histórico de fraudes presente no Brasil obtiveram “experiências históricas diferentes” com o voto impresso, mas que exemplos recentes mostraram como a contestação de que houve uma suposta “fraude” na contagem do voto em papel não torna o sistema perfeito.

A referência provavelmente foi às últimas eleições americanas, nas quais o ex-presidente Donald Trump acusou, sem provas, ter ganhado a corrida eleitoral contra Joe Biden

“A Justiça Eleitoral, por seus representantes de ontem, de hoje e do futuro, garante à sociedade brasileira a segurança, transparência e auditabilidade do sistema. Todos os ministros, juízes e servidores que a compõem continuam comprometidos com a democracia brasileira, com integridade, dedicação e responsabilidade”, encerram os ministros.

Assinam o documento Luís Roberto Barroso, Edson Fachin, Alexandre de Moraes, Rosa Weber, Luiz Fux, Gilmar Mendes, Dias Toffoli, Cármen Lúcia, Ricardo lewandoiwski, Marco Aurélio Mello, Ayres Britto, Carlos Velloso, Sepúlveda Pertence, Nelson Jobim, Ilmar Galvão, Sydney Sanches, Francisco Rezek e Néri da Silveira.

Em nota, o Ministro Nunes Marques esclareceu o motivo pelo qual não assinou a nota pública do Tribunal Superior Eleitoral:

“O Ministro Nunes Marques não foi consultado previamente em nenhum momento a fim de que pudesse concordar, ou não, com o teor da nota publicada pelo TSE, esclarecendo, por oportuno, que não compõe e ainda não chegou a compor essa Corte  Superior. O Ministro considera legítimo o posicionamento externado pelos demais Ministros que compõem ou compuseram o TSE, na medida em que, imbuídos de elevada  preocupação para a construção da democracia em nosso país, têm buscado o aperfeiçoamento do sistema eleitoral.  Feita tal ponderação, o Ministro Nunes Marques reconhece que o debate acerca  do voto impresso auditável se insere no contexto nacional como uma preocupação  legítima do povo brasileiro e que Sua Excelência, na condição de Juiz, respeitará a  expressão da vontade popular a ser externada pelo Congresso Nacional, foro adequado para tais debates, seja mantendo ou alterando a sistemática de votação e apuração de
votos, nos termos da Constituição”.

 

 

Leia a nota conjunta na íntegra.

fachada tse
Fachada do TSE, em Brasília
Foto: Foto: Antonio Augusto / Ascom / TSE

 

Mais Recentes da CNN