Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Em reunião com ministros, Lula pede 1 minuto de silêncio em homenagem para Marielle Franco

    Em post no Twitter, Lula disse que reforçou o compromisso já firmado pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino, de ampliar a colaboração federal com as investigações sobre o caso

    Lula em reunião ministerial (14/03)
    Lula em reunião ministerial (14/03) Reprodução / CNN

    Da CNN

    Em reunião com seus ministros de Estado, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) pediu que todos fizessem um minuto de silêncio para homenagear a vereadora Marielle Franco, cujo assassinato completa cinco anos nesta terça-feira (14).

    Em post no Twitter, Lula disse que reforçou o compromisso já firmado pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Flávio Dino, de ampliar a colaboração federal com as investigações sobre o caso, que é tratado como “questão de honra” para o governo federal.

    No vídeo publicado por Lula, Anielle Franco, ministra da Igualdade Racial e irmã de Marielle, agradeceu o carinho de seus companheiros na política e disse: “Enquanto a gente não conseguir responder quem mandou matar minha irmã, a gente segue nessa democracia frágil.”

    Em suas redes sociais, Anielle também se manifestou nesta terça.

    “Meia década, Mari. Já se passaram 5 anos desde que nos tiraram você e Anderson. 5 anos de saudade, de luta, de busca por justiça sobre um crime político, que ecoou mundo afora, de uma mulher negra, mãe, bissexual, defensora dos direitos humanos, que foi brutalmente assassinada com 5 tiros na cabeça, saindo do seu exercício político.

    De 2018, nós agimos para acompanhar e cobrar as investigações. Em 5 anos, essa é a primeira vez que o governo está realmente comprometido com justiça pelo caso.

    Esse é um governo que está trabalhando pela justiça, com o presidente, o Ministro da Justiça, a Ministra da Igualdade Racial e tantos outros ministérios comprometidos com isso.”

    O ministro da Justiça, Flávio Dino, mencionou o caso durante uma fala na segunda-feira (14) e disse que as autoridades “mataram” a vereadora novamente ao não conseguirem trazer respostas para o caso.

    O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, também postou sobre em suas redes sociais. “Quem mandou matar Marielle Franco e Anderson? Qual foi o motivo? A busca das respostas é uma luta por justiça, por democracia, por humanidade, por um futuro digno e sem violência.”

    Cinco anos desde o assassinato de Marielle e Anderson

    Os assassinatos da vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes completam cinco anos nesta terça-feira (14). Até o momento, a Justiça não elucidou quem mandou matar a vereadora e por quê.

    Em 2019, os ex-policiais Ronnie Lessa e Élcio Queiroz foram presos por efetuarem os disparos que mataram Marielle e Anderson.

    Ambos foram executados a tiros em 2018 dentro de um carro na Rua Joaquim Palhares, no bairro do Estácio, região central do Rio de Janeiro. O crime ocorreu por volta das 21h, após a vereadora ter deixado um evento na Casa das Pretas, no bairro da Lapa.

    Fernanda Gonçalves, chefe de gabinete do mandato, atingida por estilhaços, foi a única sobrevivente.

    A investigação do Ministério Público do Rio de Janeiro aponta que um veículo dirigido pelo ex-policial militar Élcio de Queiroz emparelhou com o carro da parlamentar. De dentro do veículo, o sargento reformado da Polícia Militar, Ronnie Lessa, teria atirado ao menos treze vezes contra o grupo.

    A vereadora, que estava no banco traseiro, foi alvejada quatro vezes na cabeça enquanto Anderson levou três tiros nas costas.

    *Publicado por Fernanda Pinotti