Espero que as prévias do PSDB não sejam judicializadas, diz ex-governadora do RS

Yeda Crusius, hoje presidente do PSDB-Mulher, falou à CNN sobre disputas internas do partido

Layane SerranoFelipe Romeroda CNN

São Paulo

Ouvir notícia

A presidente do PSDB-Mulher e ex-governadora do Rio Grande do Sul, Yeda Crusius, pediu que o resultado das prévias do partido que definiram a pré-candidatura de João Doria ao Planalto sejam respeitadas, em entrevista à CNN nesta segunda-feira (16).

“As prévias estão previstas no estatuto. Se dentro do PSDB não for respeitado, cabe sim a judicialização, mas espero que a gente não chegue a esse ponto”, afirmou a ex-governadora gaúcha.

Citando Eduardo Leite, que governou o Rio Grande do Sul até março e foi derrotado por Doria nas prévias, Yeda defendeu que o partido resolva internamente suas diferenças e dentro das regras internas.

“A imprensa tem sido mediadora de um conflito interno que começou quando o segundo colocado começou a andar o Brasil dizendo que ele queria ser candidato. Precisamos ter mais respeito por essa ferramenta democrática (das prévias)”, afirmou.

A presidente do PSDB-Mulher falou também sobre as conversas entre PSDB, MDB e Cidadania sobre o consenso em torno de uma chapa única para chamada a terceira via. “Queremos participar da construção da terceira via, e aí quem fala em nome do partido é seu pré-candidato e o presidente”, disse.

“Temos uma volta de problemas do passado, com inflação, que a gente domou, a volta das guerras”, afirmou. “A avenida que o PSDB tem é gigantesca. Domamos a inflação, defendemos a paz, queremos energia limpa, nós temos uma Amazônia para proteger”, concluiu.

Debate

CNN realizará o primeiro debate presidencial de 2022. O confronto entre os candidatos será transmitido ao vivo em 6 de agosto, pela TV e por nossas plataformas digitais.

 

Mais Recentes da CNN