Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Ex-chanceler de Temer é convidado para cargo no governo Lula

    Ex-senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB) apoiou a candidatura de Lula e disse ter ficado “muito honrado” com convite

    Aloysio Nunes Ferreira pediu demissão do cargo de diretor-presidente da SP Negóciosna prefeitura de São Paulo
    Aloysio Nunes Ferreira pediu demissão do cargo de diretor-presidente da SP Negóciosna prefeitura de São Paulo 30/10/2023 - Reprodução/Instagram/aloysio_nunes:

    Gustavo Uribeda CNN

    Brasília

    O ex-chanceler Aloysio Nunes Ferreira foi convidado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva nesta segunda-feira (5) para assumir o posto de diretor para assuntos estratégicos da Apex (Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos) em Bruxelas, na Bélgica.

    Em mensagem, nas rede sociais, o ex-ministro de Michel Temer e ex-senador pelo PSDB de São Paulo afirmou que ficou “muito honrado” com o convite do governo petista.

    Além de Lula, o ex-chanceler se reuniu com o vice-presidente Geraldo Alckmin e com o presidente da agência de fomento, Jorge Viana.

    O ex-chanceler ocupava o cargo de diretor-presidente da SP Negócios, agência de promoção de investimentos da prefeitura de São Paulo.

    Ele enviou pedido de exoneração nesta segunda-feira (5) para assumir o novo cargo.

    É a segunda baixa articulada por Lula na gestão do prefeito Ricardo Nunes, do MDB. A primeira foi a ex-prefeita Marta Suplicy, que se filiou ao PT e deixou o posto de secretária para Assuntos Internacionais.

    Aloysio Nunes apoiou a candidatura de Lula já no primeiro turno da disputa presidencial de 2022. O PSDB, por sua vez, fazia parte da chapa de Simone Tebet, do MDB.

    O apoio de Aloysio a Lula ajudou na mobilização do petista por uma frente ampla na disputa eleitoral contra Jair Bolsonaro, do PL.

    Para 2026, a ideia de Lula é, já no primeiro turno, contar com os apoios do MDB e do PSD. O presidente nacional do MDB, Baleia Rossi, no entanto, defende que o partido tenha novamente candidatura própria.