Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Eleições 2022

    Ex-STF, Marco Aurélio afirma que não irá votar em condenado por crime contra administração pública

    Ministro não respondeu diretamente em quem irá votar. Joaquim Barbosa e Celso de Mello declararam voto em Lula no primeiro turno

    Basília Rodriguesda CNN

    Brasília

    Em meio a declarações de ex-colegas de Supremo Tribunal Federal que anunciaram voto em Lula, o ex-ministro Marco Aurélio afirmou à CNN que no primeiro turno adotará “escolha livre” para presidência da República e, caso a decisão vá para segundo turno, não votará em políticos que foram condenados por crime contra a Administração Pública. De acordo com o ministro, ele defende esse critério na condição de ex-juiz.

    Perguntado se essa regra diz respeito ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, o ex-ministro não quis responder exatamente e apenas afirmou que não sabia.

    “(Sou) avesso a polarizações. Primeiro turno, escolha livre. Segundo turno, como ex-juiz não posso votar em quem foi condenado por crime contra a Administração Pública”, afirmou o ministro à CNN.

    Na Lava Jato, Lula foi condenado por corrupção e lavagem de dinheiro. Mas, por força de decisão da Suprema Corte, em abril de 2021, todas as condenações do petista foram anuladas, o que abriu caminho para a participação na corrida eleitoral. Na ocasião, Marco Aurélio foi um dos três ministros que votaram contra a anulação e saíram vencidos. O placar ficou em 8 a 3 pela derrubada das condenações. Além de Marco Aurélio, votaram contra também Luiz Fux e Kassio Nunes Marques.

    Na terça-feira (27), a campanha de Lula divulgou vídeo com declaração de apoio do ex-presidente do Supremo Tribunal Federal e relator do mensalão, Joaquim Barbosa. O ex-ministro afirma que Bolsonaro é um ser “desprezível e abjeto”, sem dignidade para presidir o Brasil.

    Também o ex-decano do STF, Celso de Mello divulgou nota em que afirma que irá votar em Lula no primeiro turno. O ex-ministro ressalta ter “certeza absoluta” de que não votará em Jair Bolsonaro. Entre as razões, aponta que o presidente da República tem “elevado coeficiente de mediocridade e comportamento incompatível com a seriedade do cargo”.

    Procurada pela CNN, a campanha de Jair Bolsonaro não comentou os votos dos ex-ministros em Lula.