Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Exército deve manter promoção de general citado no caso Marielle, dizem fontes

    Exército deve manter promoção de general citado no caso Marielle, dizem fontes

    General deve ser nomeado comandante do Estado-Maior no próximo mês
    General deve ser nomeado comandante do Estado-Maior no próximo mês Emmanuele Contini/NurPhoto via Getty Images

    Tainá FalcãoLeonardo Ribbeiroda CNN

    Brasília

    O general Richard Nunes – responsável por indicar o delegado Rivaldo Barbosa à chefia da Polícia Civil no Rio de Janeiro durante a intervenção federal no estado, em 2018 – será promovido pelo Exército Brasileiro.

    Atual chefe do Departamento de Educação e Cultura (Decex), Nunes deve ser nomeado comandante do Estado-Maior no mês que vem. Com isso, passará a ser o número 2 do Exército.

    Integrantes da alta cúpula da instituição relataram à CNN que não veem prejuízo à promoção, que seguirá critérios de antiguidade. Portanto, levará em conta o tempo de serviço do militar.

    Além disso, sob reserva, essas mesmas fontes apontam proximidade de Nunes com o comandante do Exército, general Tomás Paiva, e com o ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Marcos Amaro. Para esses militares, a aparição de Richard Nunes como responsável pela indicação de Rivaldo é um fato “incipiente”.

    Richard Nunes foi nomeado Secretário de Segurança do Rio de Janeiro, por indicação do general Walter Braga Netto, interventor do estado à época. E Nunes decidiu nomear Rivaldo Barbosa como chefe de polícia no estado, mesmo diante da contraindicação da Inteligência da Segurança Pública do Rio.

    Relatório da Polícia Federal sobre a morte de Marielle, investigação aponta que, mesmo diante de suspeitas, Richard Nunes bancou a indicação do policial. O delegado foi nomeado por Richard em 8 de março de 2018 e tomou posse 1 dia antes do crime, em 13 de março.

    A informação foi confirmada pelo próprio general, em depoimento à PF, sob argumento de que a “contraindicação não se pautava em dados objetivos”.

    “O cenário de ingerências políticas nas escolhas de funções de confiança junto às forças de segurança estaduais é mais um dos componentes nefastos no Rio de Janeiro”. A CNN tenta contato com o general para comentar o assunto.

    Em 2018, Marielle Franco chegou a se posicionar, no antigo Twitter, contra a indicação de Richard Nunes à Secretaria de Segurança Pública do Estado.

    “Sabe o nome cotado para Sec. Seg? Richard Nunes? A MARÉ CONHECE! Comandou a ocupação das Forças Armadas na Maré, entre dez de 2014 e fev de 2015, mês, de barbaridades. Uma delas quando os soldados atiraram contra o carro que estava Vitor Santiago, hoje sem uma perna e paraplégico”, escreveu Marielle.