Fernando Molica: Bolsonaro mente sobre fraudes por medo de perder para Lula

No quadro Liberdade de Opinião, jornalista falou sobre o presidente da República admitir que não tem provas de fraudes eleitorais

Da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

No quadro Liberdade de Opinião desta sexta-feira (30), Fernando Molica falou sobre a live do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em que ele admitiu não ter provas de que as eleições de 2014 foram fraudadas, mas fez uma acusação sobre a contagem de votos.

Bolsonaro também fez ataques diretos à Justiça Eleitoral e ao Supremo Tribunal Federal (STF). “É justo quem tirou o Lula da cadeia ser o mesmo que vai contar o voto em uma sala secreta no TSE? Cadê a contagem pública dos votos?”, questionou o presidente.

“São acusações e ameaças muito graves. Temos que usar a palavra correta: ele mentiu. Não existe sala secreta de apuração de votos. Cada urna, que é fechada e não é ligada à internet, é apurada dentro de cada seção eleitoral, no local de votação. Termina a votação, a urna é fechada, é impresso o boletim da urna com resultado e isso é divulgado”, disse o jornalista.

 
“Quando Bolsonaro associa fraude ao nome do ex-presidente Lula, que é o provável candidato do PT à eleição no ano que vem, ele claramente está confessando o verdadeiro problema: o medo de perder. Ele está com medo de perder pro Lula.”

“Antes de entrar no jogo, Bolsonaro está reclamando de juiz ladrão. Ele está acusando o Poder Judiciário brasileiro de ser conivente e praticar fraude contra o direito do voto. É uma acusação muito grave que pode gerar problemas no ano que vem. Podemos ter uma eleição muito tumultuada por causa desse tipo de afirmação do presidente da República”, concluiu Molica.

O Liberdade de Opinião tem a participação de Fernando Molica e Alexandre Garcia. O quadro vai ao ar diariamente na CNN.

Fernando Molica no quadro Liberdade de Opinião
Fernando Molica no quadro Liberdade de Opinião
Foto: CNN Brasil (30.jul.2021)

As opiniões expressas nesta publicação não refletem, necessariamente, o posicionamento da CNN ou seus funcionários.

 

Publicado por Evandro Furoni

Mais Recentes da CNN