Filhos de Bolsonaro estão na lista de relator, que pede indiciamento por causa de fake news

Texto final do relatório de Renan Calheiros ainda precisa ser aprovado pelos senadores da CPI da Pandemia

Jair Bolsonaro ao lado dos filhos
Jair Bolsonaro ao lado dos filhos Reprodução / Twitter Eduardo Bolsonaro

Basília Rodriguesda CNN

de Brasília

Ouvir notícia

Tanto o senador Flávio Bolsonaro, quanto o deputado federal Eduardo Bolsonaro e o vereador Carlos Bolsonaro – todos filhos do presidente da República – terão o indiciamento recomendado pelo relatório da CPI da Pandemia.

O motivo: compartilhamento de notícias falsas. O capítulo do relatório destinado a esta investigação irá fundo nas consequências provocadas pela divulgação de fake news na rede de contato dos três irmãos.

Não existe um tipo penal chamado “fake news”. Ou seja, a mera publicação não resulta em responsabilização imediata. Por isso, técnicos do Senado listaram os crimes que ocorreram a partir do compartilhamento intencional de difundir mentiras, como promover medicamentos sem eficácia comprovada e a imunidade de rebanho. Flávio, Carlos, Bolsonaro poderão responder por colaborar com a infestação do vírus, o que formalmente se encaixaria no crime de epidemia.

O capítulo sobre fake news do relatório da comissão é o que contempla o maior número de pessoas que podem ser indiciados pela CPI pandemia. Entre esses recomendados, há médicos, empresários, políticos. É um dos rols de informações do relatório considerados mais polêmicos.

De acordo com fontes ouvidas pela CNN Brasil, o presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), também consta no relatório de Renan Calheiros como responsável por 11 crimes, dentre eles o de homicídio.

Mais Recentes da CNN