Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    França toma posse e reitera promessa de rebatizar porto de Santos com nome de Pelé

    Ex-governador assume ministério de Portos e Aeroportos; ele afirmou que população decidiu por respeito ao serviço público

    O ex-governador de São Paulo Márcio França
    O ex-governador de São Paulo Márcio França Diogo Moreira

    Tiago Tortellada CNN

    em São Paulo

    O ex-governador de São Paulo Márcio França (PSB) tomou posse como ministro de Portos e Aeroportos nesta segunda-feira (2). A cerimônia contou com a presença do vice-presidente Geraldo Alckmin (PSD).

    Durante o evento, França afirmou que a população decidiu pelo “respeito ao serviço publico, de garantia ao servidor público e que, acima de tudo, admiração ao serviço público”.

    Além disso, ressaltou que “se depender da nossa vontade” o porto de Santos será renomeado para “Santos Pelé”, em forma de homenagear e manter viva a memória do Rei do Futebol, que morreu no dia 29 de dezembro, em decorrência do avanço de um câncer de cólon.

    França reconheceu um “desafio muito grande” na área, dizendo que “para onde você olha, há muito o que fazer”. Ao mesmo tempo, revelou ter imaginado, em um primeiro momento, que seria indicado para o ministério das Cidades.

    O ex-governador observou ainda que valoriza “todas as categorias de trabalhadores portuários e aeronautas”, destacando que o déficit social se apresenta como maior desafio “em qualquer setor do nosso governo”.

    Alckmin

    Márcio França agradeceu a presença de Geraldo Alckmin (PSB), destacando que “parecia uma coisa quase impossível” a aliança entre o agora vice-presidente e Luiz Inácio Lula da Silva (PT) quando, há “dois ou três anos” iniciaram as conversas que culminaram na chapa que venceu as eleições de 2022.

    “Mas a política que estava dentro do governador Alckmin e presidente Lula levou ao nosso entendimento que era muito importante que a gente ultrapassasse uma fase”, explicou.

    “Do ponto de vista do comportamento pessoal, o Geraldo (Alckmin) não é o homem público mais íntegro que eu conheço, ele é o cidadão mais íntegro que eu conheço. O ponto de vista do comportamento pessoal é irretocável”.

    Ele também pontuou que é necessário “ter a esperança de volta”, algo que acredita que a vitória de Lula nas eleições proporciona.

    “É inegável que, de ontem para hoje, em todos os cantos que se anda, as pessoas estão sorrindo, de volta respirando um ar positivo”, avaliou França.