Goiás: saiba quem são os pré-candidatos ao governo do estado e ao Senado

Governador Ronaldo Caiado (União Brasil), eleito em 2018, pode concorrer a mais quatro anos

Palácio das Esmeraldas, em Goiânia, sede do governo de Goiás
Palácio das Esmeraldas, em Goiânia, sede do governo de Goiás Governo de Goiás

Denise Becker*colaboração para a CNN

Ouvir notícia

Um levantamento realizado pela CNN apontou quem são os pré-candidatos para o governo estadual e para o Senado em Goiás. Vale destacar que os partidos podem mudar as indicações até 5 de agosto, quando acaba o prazo para a escolha de candidatos e candidatas..

Um dos nomes confirmados é o de Ronaldo Caiado (União Brasil), atual governador em busca de reeleição. Ele venceu a última eleição no primeiro turno, com 60% dos votos válidos em Goiás, o equivalente a quase 1,8 milhão de votos.

Formado em Medicina pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, é natural de Anápolis (GO). Foi deputado federal por cinco mandatos e candidato à Presidência da República. Exercia mandato como senador quando foi eleito governador.

Uma das dúvidas sobre a campanha dele será a relação com o presidente Jair Bolsonaro (PL), de quem foi aliado, mas acabou se distanciando após desentendimentos.

Por outro lado, a recente oficialização do União Brasil, com a junção do PSL e do Democratas, motivou a migração do Major Vitor Hugo para o PLApoiado por Bolsonaro, o deputado federal se colocou como pré-candidato ao Palácio das Esmeraldas. Vitor Hugo de Araújo Almeida, de 44 anos, é natural de Salvador (BA).

Um dos principais oponentes de Caiado deve ser Marconi Perillo, do PSDB. Ele já foi governador de Goiás durante quatro mandatos – no primeiro, tinha 35 anos. Também foi senador, eleito em 2006 com 75% dos votos, além de deputado federal e estadual.

Perillo foi diversas vezes investigado por suspeita de corrupção e chegou a ser preso, em 2018, poucos dias após perder a eleição para o Senado. Marconi Ferreira Perillo Júnior tem 59 anos e é natural de Palmeiras de Goiás.

O ex-tucano Zé Eliton (PSB), que foi vice de Perillo por dois mandatos e chegou a governar o estado em 2018, na renúncia do então mandatário, também deverá participar da disputa. Em março, Eliton deixou o PSDB rumo ao PSB, com o objetivo de derrotar Caiado e os apoiadores de Bolsonaro em Goiás.

Zé Eliton foi vice-governador por dois mandatos, sendo empossado governador em 2018, por oito meses, quando Perillo deixou o posto para concorrer ao Senado.

Quem também quer disputar o posto máximo no Palácio das Esmeraldas é Gustavo Mendanha (Patriota). Duas vezes prefeito de Aparecida de Goiânia, foi reeleito em 2020 com 95,81% dos votos. Ele renunciou ao cargo em 31 de março para ser candidato ao governo. Recentemente, Mendanha se filiou ao Patriota, partido que representará no pleito.

Mendanha tem 39 anos e é natural de Aparecida de Goiânia, cidade que comanda em seu segundo mandato como prefeito. Nas eleições de 2020, obteve 95,81% dos votos. Antes, foi presidente da Câmara Municipal e vereador da cidade por duas legislaturas.

O PT tem dois pré-candidatos ao governo no estado; Wolmir Amado, de 60 anos, é natural de Paim Filho, no Rio Grande do Sul. Foi reitor da Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC Goiás) e tem uma trajetória dedicada a programas educacionais e projetos comunitários.

Amado foi representante da América Latina no Conselho de Administração da Federação Internacional de Universidades Católicas, com sede em Paris (2006-2009). É vice-presidente do Conselho Superior da Associação Nacional de Educação Católica (ANEC) e conselheiro, por dois mandatos, do Conselho de Reitores das Universidades Brasileiras (CRUB).

O Novo tem como pré-candidato o professor e empresário Edigar Diniz. Natural de Santa Helena de Goiás e morador de Goiânia, ele é formado em Ciências da Computação e jamais disputou eleições.

Os pré-candidatos ao Senado

Até o momento, poucos nomes foram apresentados como pré-candidatos ao Senado pelos partidos. Porém, postulante à reeleição, Luiz do Carmo (PSC) é tido como certo.

Ele deixou o MDB em fevereiro e se filiou ao PSC, dirigido pelo irmão dele, Eurípedes do Carmo. Empresário, Luiz do Carmo tem 63 anos e é natural de Palminópolis (GO).

Wilder Morais trocou o PSC pelo PL e diz que estará na chapa do Major Vitor Hugo. Um dos empresários mais ricos do estado, ele tem 53 anos e nasceu em Taquaral de Goiás. Era suplente de Demóstenes Torres e assumiu o cargo em 2012, quando o senador foi cassado, mas não conseguiu se reeleger em 2018.

Assumiu, então, o cargo de secretário estadual de Indústria e Comércio na gestão de Caiado, mas se descompatibilizou, em 2020, para concorrer ao posto de vice-prefeito de Goiânia – sendo derrotado nas urnas.

Entre os que se apresentam para o cargo de senador está Alexandre Baldy, do PP. Industrial e político, ele tem 41 anos e é natural de Goiânia.

Sua função mais recente foi a de secretário dos Transportes Metropolitanos de São Paulo, na gestão de João Doria (PSDB), mas já foi deputado federal por Goiás, ministro das Cidades no governo Michel Temer e secretário estadual de Indústria e Comércio de Goiás, no mandato de Marconi Perillo.

O União Brasil, por sua vez, tem como possível indicação o deputado federal Delegado Waldir. Ele tem 59 anos e é natural de Jacarezinho (PR). Em diversas declarações públicas, o deputado reafirma sua intenção em disputar uma vaga no Senado.

João Campos, deputado federal em seu quinto mandato, é pré-candidato ao Senado pelo RepublicanosCampos é delegado, tem 59 anos e é natural de Peixes, município do Tocantins.

É considerado um deputado de atuação conservadora, tendo apresentado o Projeto de Decreto Legislativo 234/2011, que pretendia retirar a restrição de psicólogos a debates e tratamentos relacionados à homossexualidade.

O primeiro turno da eleição de 2022 está marcado para acontecer no primeiro domingo de outubro, dia 2. E, caso seja necessário, o segundo turno será realizado no dia 30 do mesmo mês.

Confira abaixo os senadores cujos mandatos terminam em 2023. As vagas deles no Senado estarão em jogo nas eleições deste ano

 

CNN realizará o primeiro debate presidencial de 2022. O confronto entre os candidatos será transmitido ao vivo em 6 de agosto pela TV e por nossas plataformas digitais.

*Com informações da Anna Gabriela Costa, Gabriela Ghiraldelli, Salma Freua e Leonardo Rodrigues, da CNN

Mais Recentes da CNN