Governadores querem encontro com Bolsonaro e reagem a protestos entre policiais

No encontro, governadores teriam declarado que atitudes do tipo configuram uma espécie de motim e devem ser repreendidas

Basília Rodrigues

Ouvir notícia

O encontro do Fórum Nacional de Governadores, nesta segunda-feira (23), terminou com o acordo de não emitir nota pública contra o presidente Jair Bolsonaro. À CNN, interlocutores que acompanharam a reunião disseram que, apesar de abrirem mão do manifesto, os governadores decidiram que não deixariam de externar a preocupação com o tensionamento entre Poderes.

No lugar de uma nota de repúdio à conduta do presidente da República, houve consenso dos governadores de divulgar uma ata com 4 pontos, pedindo reuniões separadas dos governadores com cada chefe de Poder. O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha, como coordenador do grupo, vai levar os convites, incluindo o de Bolsonaro.

A ata do encontro de governadores desta segunda-feira também enquadra possíveis ações policiais de apoio a manifestações antidemocráticas, uma demonstração de apoio ao governador de São Paulo, João Dória Dória, que nesta segunda-feira afastou um coronel da PM paulista que conclamou protesto. No encontro, governadores teriam declarado que atitudes do tipo configuram uma espécie de motim e devem ser repreendidas.

 

Os 4 pontos de consenso foram:
1 – Convidar o presidente da República, Jair Bolsonaro, para reunião com governadores. Também presidentes da Câmara, Arthur Lira, do Senado, Rodrigo Pacheco e do Supremo Tribunal Federal, Luiz Fux.
2 – Afirmar o compromisso de manter as polícias nos trilhos da legalidade.
3 – Reafirmar pacto pela vida contra o coronavírus e a favor das vacinas.
4 – Garantir criação do Consórcio Brasil Verde, para atuação nas questões ambientais.

Jair Bolsonaro no Planalto
Bolsonaro participa de cerimônia no Palácio do Planalto; manifestantes pediram desculpas por desrespeitar recomendações do presidente contra o coronavírus (11.fev.2020) / REUTERS

Mais Recentes da CNN