Governo lança programa de apoio à população vulnerável ao coronavírus

Ações miram populações como idosos em situação de vulnerabilidade, pessoas com deficiência e moradores de rua

Ouvir notícia
 

O governo lançou nesta segunda-feira (13), no Palácio do Planalto, um projeto auxiliar moradores de rua, pessoas com deficiência e idosos que vivem em lares permanentes contra a pandemia do novo coronavírus. 

O projeto, chamado de Brasil Acolhedor, terá duas frentes: uma com foco em doações de bens, como cestas básicas e itens de higiene pessoal, e outra na seleção de organizações da sociedade civil e pessoas físicas para atuarem na execução das iniciativas, direto com os beneficiários. 

De acordo com a ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, o projeto consolida uma série de ações que já estão sendo realizadas pelo Governo e pela sociedade civil. “O Brasil Acolhedor neste momento é para reunir as ações que já estão sendo executadas. Vamos continuar acolhendo e cuidando”, diz. 

O lançamento contou também com a presença da primeira-dama, Michelle Bolsonaro, do ministro da Casa Civil, Walter Souza Braga Netto, e do ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni. 

 “Hoje nos reunimos com o objetivo de renovar a esperança”, disse a primeira-dama. “Reafirmamos nosso compromisso de não deixar ninguém para trás.” 

Onyx Lorenzoni ressaltou que “essa é mais uma ação da grande rede de proteção montada pelo presidente Jair Messias Bolsonaro”, destacando que “[o presidente] tem trabalhado muito para reduzir o impacto do coronavírus no Brasil”. 

Os principais grupos atendidos serão: pessoas idosas em situação de vulnerabilidade; pessoas idosas em Instituições de Longa Permanência para Idosos (ILPIs); pessoas com deficiência atendidas por organizações da sociedade civil; bem como a população em situação de rua.

A ação poderá também ter foco de atendimento para outros públicos. O atendimento acontecerá em todos os estados brasileiros, em localidades com alto índice de pobreza. (Com Rudá Moreira, da CNN em Brasília)

Mais Recentes da CNN