Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Investigado por golpismo, ex-comandante da Marinha diz que assinou nota em defesa dos acampamentos para apoiar chefe do Exército

    Texto foi divulgado no dia 11 de novembro de 2022 em meio à pressão para a desmobilização dos acampamentos em frente a quarteis, incluindo no Quartel-General em Brasília

    Ex-comandante da Marinha, almirante da reserva Almir Garnier Santos
    Ex-comandante da Marinha, almirante da reserva Almir Garnier Santos Tânia Rêgo/Agência Brasil

    Gabriela PradoJussara Soaresda CNN

    Brasília

    Um dos alvos da Polícia Federal (PF) por supostamente apoiar uma trama golpista, o ex-comandante da Marinha, almirante de esquadra Almir Garnier Santos, tem afirmado a aliados que a nota em defesa dos acampamentos em frente a quarteis do Exército em diversos locais do país foi um “combinado” entre os comandantes das Forças Armadas.

    O texto foi divulgado no dia 11 de novembro de 2022 em meio à pressão para uma ação do Exército para a desmobilização dos acampamentos em frente a quarteis, incluindo no Quartel-General em Brasília.

    Bolsonaristas pediam intervenção militar para impedir a posse do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e para manter Jair Bolsonaro (PL) no poder.

    A amigos, Garnier justifica que ele assinou o texto para “apoiar” e “prestigiar” o ex-comandante do Exército, Marco Antônio Freire Gomes, já que o general estava pressionado, uma vez que as mobilizações não ocorrem na frente de unidades da Marinha.

    O texto também tem a assinatura do então comandante da Força Área Brasileira (FAB), tenente-brigadeiro do ar Carlos Baptista Junior.

    Na nota divulgada no fim de 2022, os comandantes chamam os acampamentos de “manifestção populares” e citam que as Forças Armadas como “moderadoras” nos momentos mais importantes da história.

    O texto ainda critica “eventuais excessos cometidos em manifestações” e condena “eventuais restrições a direitos, por parte de agentes públicos”. O comunicado não tem a assinatura do general Paulo Sérgio Nogueira, então ministro da Defesa.

    Para a PF, a nota teve “relevância” para “manutenção e intensificação das manifestações antidemocrática, em vista do suposto realdo das Forças Armadas ao movimento”.

    De acordo com a investigação, Garnier foi o único dos três comandantes do fim do governo Bolsonaro a ter colocado a tropa à disposição para um golpe de Estado. Freire Gomes, do Exército, e Baptista Junior, da FAB, teriam rechaçado a ideia.

    Os dois prestaram depoimento à PF na condição de testemunhas. Por sua vez, Garnier é considerado um dos principais alvos da investigação.

    Convocado para prestar depoimento no dia 22 de fevereiro à Polícia Federal, o almirante ficou em silêncio por alegar que não teve acesso completo aos autos.

    Na representação policial que baseou a decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes, Ganier aparece como integrante do núcleo de oficiais de alta patente que teriam se utilizado do cargo “para influenciar e incitar o apoio aos demais núcleos de atuação, por meio do endosso de ações e medidas a serem adotadas, para a consumação do golpe de Estado”.

    As investigações também indicam a participação de Garnier em reuniões no Palácio do Planalto. Em depoimento, Freire Gomes afirmou que participou de encontros entre o ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) e os ex-comandantes das Forças Armadas e que foi discutido termos de uma minuta para golpe de Estado.

    Outro lado

    A CNN procurou a defesa de Ganier e aguarda reposta. Também tenta contato com a defesa de Freire Gomes, mas ainda sem retorno.