Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Eleições 2022

    João Doria anuncia desfiliação do PSDB; leia carta

    Ex-governador de São Paulo havia se afastado da vida pública após desistir da pré-candidatura à Presidência da República

    Carolina FigueiredoLucas Schroederda CNN

    em São Paulo

    O ex-governador de São Paulo João Doria anunciou, nesta quarta-feira (19), sua desfiliação do PSDB (Partido da Social Democracia Brasileira). Doria justificou a decisão  nas redes sociais (veja abaixo) após ter entrado no partido “inspirado pelas ideias e virtudes de nomes como Franco Montoro, José Serra, Mário Covas e Fernando Henrique Cardoso”.

    Doria foi prefeito de São Paulo entre 2017 e 2018, quando renunciou ao cargo para disputar o governo de São Paulo, sendo eleito com 51,75% dos votos válidos no segundo turno.

    Após vencer as prévias do PSDB para as eleições presidenciais, Doria renunciou ao governo de São Paulo em abril deste. Contudo, o ex-governador desistiu de sua pré-candidatura à Presidência em meio a um imbróglio no PSDB.

    O ex-governador divulgou ainda uma carta (leia íntegra abaixo) detalhando sua saída do partido.

    Também nas redes sociais, o PSDB afirmou (veja abaixo) que “João Doria tem uma extensa folha de serviços prestados a São Paulo e ao Brasil. Trouxe a vacina que salvou milhares de vidas, fortaleceu o Estado com obras e boas ideias colocadas em prática. Boa sorte em seus novos projetos”.

    Leia a íntegra da carta divulgada por João Doria

    Após 22 anos da filiação ao PSDB e seis anos de uma dedicada e intensa trajetória como prefeito de São Paulo e governador do Estado, comunico que formalizei junto ao diretório estadual do PSDB o meu desligamento do partido. Inspirado pelas ideias e virtudes de nomes como Franco Montoro, José Serra, Mário Covas e Fernando Henrique Cardoso, busquei cumprir uma missão política e partidária pautada na excelência da gestão pública, num Estado menor e em favor de uma sociedade mais justa e menos desigual.

    A omissão, a letargia e o imobilismo jamais fizeram parte da minha vida. Não cruzei os braços ao encarar problemas que afligem São Paulo e o Brasil. A exemplo de minha conduta como empresário, preferi encarar os desafios da vida pública com determinação, foco e resiliência.

    Enquanto alguns atores da política se omitiam durante a mais grave pandemia dos últimos cem anos, lutei desde o início para que nosso povo tivesse acesso a uma vacina contra a Covid-19. Atuei, acima de tudo, pela defesa da vida e da saúde dos brasileiros.

    Jamais cedi ao negacionismo ou a falsidades que contrariam a ciência. Tenho muito orgulho do sucesso liderado por São Paulo que ajudou a salvar 124 milhões de vidas no Brasil, que tomaram a vacina do Butantã.

    Comandei gestões transformadoras e ousadas que deixaram conquistas, que agora, pertencem ao povo de São Paulo. Entregamos o Novo Museu do Ipiranga, despoluímos o Rio Pinheiros, multiplicamos por dez as vagas em escolas de tempo integral, promovemos o crescimento econômico de São Paulo cinco vezes mais do que o Brasil, geramos mais de 2 milhões de novos empregos, modernizamos mais de 11 mil quilômetros de rodovias e ampliamos, substancialmente, o acesso a programas como Poupatempo e Bom Prato.

    Unimos, de forma inédita, o poder público e iniciativa privada em um Comitê Solidário que arrecadou mais de R$ 2 bilhões para combater a fome e a carestia. E criamos o Bolsa do Povo, o maior programa de assistência social e transferência de renda da história de São Paulo. Meu agradecimento ao Rodrigo
    Garcia e à brilhante equipe que tivemos no governo de S. Paulo.

    Reconhecido até por nossos adversários, o ótimo trabalho do PSDB na Prefeitura de São Paulo e no Governo do Estado permitiu a reeleição, em 2020, de meu querido e saudoso amigo Bruno Covas, para um novo mandato à frente da mais importante metrópole da América do Sul. Infelizmente, Bruno nos deixou cedo demais.

    Não cedi a pressões e me mantive firme na defesa dos valores sociais e democráticos que aprendi com meu pai, um político cassado e exilado pela ditadura militar em 1964. Vencí todas as eleições das quais participei.

    Por três vezes fui eleito em prévias partidárias pelo voto soberano da maioria dos filiados do PSDB. Fui eleito no primeiro turno para Prefeito da capital paulista, em 2016. E em 2018 vencí a eleição para o governo de São Paulo. Sou e sempre serei um homem que se pauta pelo equilíbrio, diálogo, consenso e gratidão.

    Encerro minha trajetória partidária de cabeça erguida. Orgulhoso pela contribuição que pude dar a São Paulo e ao Brasil, graças à generosidade e à confiança de todos aqueles que optaram pelo meu nome em três prévias e duas eleições.

    Com minha missão cumprida, deixo meu agradecimento e o firme desejo de que o PSDB tenha um olhar atento ao seu grandioso passado em busca de inspiração para o futuro. E sempre em defesa da democracia, da liberdade do progresso social.