Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Lira anuncia que PEC do Estouro será votada na terça (20) no plenário da Câmara

    Declaração foi dada pelo presidente da Casa após horas de reuniões com integrantes do PT e demais líderes partidários

    Luciana AmaralGabriel Hirabahasida CNN

    Em Brasília

    O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), anunciou que a PEC do Estouro será votada na próxima terça-feira (20) no plenário da Casa. A declaração foi dada após horas de reuniões com integrantes do PT e demais líderes partidários.

    A Proposta de Emenda à Constituição que busca viabilizar o pagamento de R$ 600 mais o adicional do Auxílio Brasil –ou Bolsa Família, caso o nome seja alterado– no ano que vem está na pauta do plenário da Câmara desde segunda (12), porém, por falta de consenso, ainda não foi votada.

    A intenção de Lira é que o plenário da Câmara na terça seja dedicado à discussão e votação da PEC do Estouro, fora alguma matéria remanescente na pauta, se for o caso. O projeto do orçamento de 2023 deve ser analisado na próxima quarta (21), acrescentou.

    “Vamos utilizar o plenário da Câmara dos Deputados na terça o dia todo com a pauta da PEC da Transição a partir das 9h. De manhã e tarde. Na terça-feira, nós estamos terminando e ultimando as conversações. Diferente do que tem sido noticiado, sem nenhum tipo de barganha, porque essa presidência nunca fez, mas acomodando votos para que se tenha o quórum necessário para enfrentar as votações principais e os destaques que possam vir do plenário desta Casa”, declarou.

    Lira disse ainda que deve ser realizada uma nova sessão conjunta do Congresso nesta sexta (16) para continuar a análise de matérias que não foram deliberadas hoje.

    A intenção do PT era de votar a PEC do Estouro ainda nesta terça. Contudo, logo após o anúncio de Lira, o próprio líder do PT na Câmara, Reginaldo Lopes (MG), afirmou entender ser preciso “construir mais diálogo e mais convergência”. Antes disso, o presidente da Câmara estava reunido com petistas e outros parlamentares.

    “Queremos convencer os demais líderes da importância da aprovação da PEC do Bolsa Família no valor de R$ 145 bilhões por dois anos”, disse Lopes, ao defender o texto como aprovado pelo Senado. “Vamos juntos até terça de manhã, 9h, iniciar esse debate e concluir.”

    Dúvidas

    Os aliados do presidente da República eleito, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), ainda não têm certeza se contabilizam mais do que os 308 votos necessários para aprovar a PEC em dois turnos de votação.

    Há divergências em relação a prazos e valores estipulados no texto como aprovado no Senado. Outros pontos de divergência são deixar a equipe de transição como um dos responsáveis pela destinação de recursos tratados pela PEC, a possibilidade do uso de recursos “esquecidos” do PIS/Pasep e a previsão que permite mudança de âncora fiscal por projeto de lei complementar, por exemplo.

    Não há consenso inclusive dentro de partidos que o PT espera ter ao seu lado na votação da PEC na busca de construir uma base aliada mais robusta a partir do ano que vem. Por exemplo, PP, PSD e União Brasil.

    Outros pontos da PEC

    Além do Auxílio Brasil turbinado, outros pontos da PEC permitem o furo do teto de gastos para bancar mais iniciativas do futuro governo Lula, a partir de 2023.

    Apesar do anúncio de Lira, há no PT quem insista em pedir a votação para esta quinta. O deputado federal José Guimarães (PT-CE) disse que deve conversar com Lula ainda hoje sobre a busca de apoio e consenso para a PEC.