Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Lira não deve ir ao ato pró-Bolsonaro na Avenida Paulista, dizem aliados

    Petistas minimizam convocação e falam em afronta ao STF

    Pedro Venceslauda CNN

    São Paulo

    Aliado de Jair Bolsonaro (PL), o deputado Arthur Lira (PP-AL) deve manter uma “distância regulamentar” do ex-presidente Jair Bolsonaro e não deve ir ao ato na avenida Paulista convocado para o dia 25, segundo aliados do presidente da Câmara ouvidos pela CNN.

    A leitura no entorno do parlamentar é que o evento poderia causar constrangimentos constitucionais. Procurada, a assessoria de Lira disse que o deputado não se manifestou sobre o evento.

    O ex-presidente pediu em uma mensagem gravada em vídeo que os seus apoiadores não levem faixas e cartazes contra o STF, mas a expectativa entre políticos de esquerda e direita é que o evento de desagravo acabe em críticas ao STF, em especial ao ministro Alexandre Moraes.

    No campo petista, deputados e lideranças minimizam o ato do dia 25, que classificam como uma afronta ao STF. “(o ato) Terá zero impacto e só vai piorar a situação dele no judiciário. É puro desespero”, disse o deputado federal Zeca Dirceu (PT-PR), ex-líder do PT na Câmara.

    “É uma afronta à justiça e uma tentativa de obstruir a justiça”, afirmou o deputado Rogério Correia (PT-MG), vice – líder do governo na Câmara.

    Procurada, a assessoria de Bolsonaro ainda não se manifestou sobre as críticas dos petistas.

    “Os petistas sempre fazem isso antes de grandes manifestações. É para botar medo no povo. As pessoas vão seguir a orientação (de não criticar o STF”, disse a deputada Carla Zambelli (PL-SP).