Lisauskas: Bolsonaro não quer governadores em destaque no combate à pandemia

No quadro Liberdade de Opinião, Rita Lisauskas repercutiu a reação de governadores às declarações do presidente sobre repasses feitos durante pandemia

Da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

No quadro Liberdade de Opinião desta segunda-feira (1º), Rita Lisauskas repercutiu a reação de governadores à postagem feita pelo presidente Jair Bolsonaro (sem partido) sobre os repasses feitos pelo governo federal aos estados no enfrentamento à Covid-19 em 2020.

Nas redes sociais, Bolsonaro discriminou os valores para investimentos diretos na saúde e para o pagamento do auxílio emergencial. Em nota pública, governadores declararam que os repasses são obrigação do governo federal, já que boa parte dos impostos federais pertence aos estados e municípios.

“O Jair Bolsonaro é incapaz de unir o país, ele investe exatamente nisso: no conflito, na desunião, no bate cabeça. O que deveria estar sendo feito agora em vez dessa discussão? Uma reunião entre o presidente da República e todos os governadores, um gabinete de crise para discutir lotação das UTIs, a velocidade da vacinação”, afirmou Rita.

“O Brasil precisava de ação conjunta, de um comando central, discutir lockdown, discutir auxílio emergencial e auxílio aos empresários, discutir compra de vacinas. E o que a gente vê? O presidente atacando governadores, com a ajuda de ministros, nas redes sociais, tentando tirar o corpo fora e colocando a culpa nos outros”, completou. 

“[Bolsonaro] faz isso, porque está de olho em 2022 e não quer que nenhum governador se destaque no combate à pandemia, entre eles João Doria e Flávio Dino. Muitos governadores, obviamente, têm pretensões de se candidatarem [à presidência]. Então, ele prefere pregar o caos, deixar os governadores se desgastando com a opinião pública, e o povo que se dane”, concluiu Lisauskas.

O Liberdade de Opinião tem a participação de Rita Lisauskas e Caio Coppolla. O quadro vai ao ar diariamente na CNN.

As opiniões expressas nesta publicação não refletem, necessariamente, o posicionamento da CNN ou seus funcionários.

(Publicado por Daniel Fernandes)

Mais Recentes da CNN