Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Lula cobra Camilo sobre construção de institutos federais: “Nós temos que fazer acontecer”

    Em reunião com reitores, presidente disse que obras precisam começar: "o que não pode é anunciar e, um ano depois, não ter acontecido nada"

    O ministro da Educação, Camilo Santana, e o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) em cerimonial em Brasília, em 19 de abril de 2023
    O ministro da Educação, Camilo Santana, e o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) em cerimonial em Brasília, em 19 de abril de 2023 Valter Campanato/Agência Brasil

    Bárbara BrambilaLucas SchroederRenata Souzada CNN São Paulo

    O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) se reuniu nesta segunda-feira (10) com reitores de universidades e institutos federais, em Brasília. Durante o encontro, o presidente cobrou o ministro da Educação, Camilo Santana, sobre a construção das unidades de educação anunciadas pelo governo federal.

    “Pelo amor de Deus, nós temos que fazer acontecer”, disse o petista, ressaltando que não podem haver desculpas que impeçam o início das obras.

    “Eu cobro toda semana do Camilo: Camilo, pelo amor de Deus, nós temos que começar a construir os institutos que nós anunciamos. Se não tem terreno, vamos comprar o terreno. Os reitores podem ir nos prefeitos e saber se tem prédio na cidade que a gente pode colocar o instituto. O que a gente não pode é anunciar e, um ano depois, não ter acontecido nada”, afirmou.

    Em março, o governo federal anunciou a criação de 100 novos institutos federais, com a promessa de serem abertas 140 mil novas vagas em todas as unidades federativas.

    Nos eventos em que participa, o presidente frequentemente destaca o crescimento do número de unidades de ensino no país durante os governos petistas.

    “Em 100 anos foram feitos 140. Nós, em menos de 15 anos, vamos entregar 782 institutos nesse país”, disse no evento desta segunda.

    Greve

    O encontro ocorreu em meio a greve da educação federal, que já completa 68 dias, segundo o Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica (Sinasefe).

    A entidade convocou os servidores para mais protestos essa semana, com agenda de hoje até o próximo dia 14. Durante o evento, grevistas manifestavam do lado de fora do Palácio do Planalto.

    Amanhã (11), uma nova reunião está agendada para apresentação de proposta do governo aos servidores técnico-administrativos (TAEs).