Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Lula defende Farmácia Popular e diz que “ninguém será tratado como se fosse de segunda classe”

    Presidente afirmou que programa "volta com força" e amplia acesso a medicamentos

    Tiago Tortellada CNN

    em São Paulo

    O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) discursou durante a cerimônia de relançamento do Farmácia Popular, programa de financiamento de medicamentos para a população, nesta quarta-feira (7). Ele defendeu o projeto e afirmou que “ninguém será tratado como se fosse de segunda classe”.

    “As pessoas mais necessitadas, as pessoas que ganham menos, as pessoas que foram privadas de conhecimentos e oportunidades ao longo da história desse país vão ser tratadas como pessoas de primeira categoria, como pessoas de primeira classe. Ninguém será tratado como se fosse de segunda classe”, disse.

    Lula pontuou que o Farmácia Popular foi “ironizado e diminuído” no governo passado, mas que agora “volta com mais força” e capacidade de fazer convênios para que mais farmácias participem.

    Antes da fala do presidente, diversas autoridades, como a ministra da Saúde, Nísia Trindade, se pronunciaram. Ela informou que “está no horizonte” a disponibilização de medicamentos para “saúde masculina” através do programa, como remédios para a próstata.

    Ampliação do programa

    A cerimônia desta quarta marcou a retomada do Farmácia Popular, ampliação da oferta de remédios pelo programa e credenciamento de novas unidades em municípios de maior vulnerabilidade.

    Além disso, beneficiários do Bolsa Família poderão retirar gratuitamente os 40 medicamentos disponíveis, incluindo tratamentos para hipertensão, diabete e asma.

    Conforme ressaltado por Nísia Trindade, entre as principais mudanças no projeto está a disponibilização gratuita de medicamentos indicados para o tratamento da osteoporose e de contraceptivos, que anteriormente eram ofertados com preços mais baixos.

    Outro ponto é que o Ministério da Saúde ampliará o número de farmácias vinculadas ao programa e facilitará o acesso ao programa para a população indígena aldeada — nomeando um representante, que poderá fazer a retirada dos medicamentos para os demais indígenas da aldeia.

    *com informações de Lucas Rocha, da CNN