Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Lula é aconselhado a se dedicar mais à articulação política em 2024

    Recomendação foi feita no final de ano, durante confraternizações promovidas pelo Palácio do Planalto, segundo apurou a CNN

    Presidente Luiz Inácio Lula da Silva
    Presidente Luiz Inácio Lula da Silva Marcelo Camargo/Agência Brasil

    Gustavo Uribeda CNN

    Brasília

    O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) tem sido aconselhado por aliados a se dedicar mais à articulação política.

    Segundo apurou a CNN, a recomendação foi feita no final de ano, durante confraternizações promovidas pelo Palácio do Planalto.

    No primeiro ano de seu terceiro mandato, o petista delegou a articulação política aos ministros de Relações Institucionais, Alexandre Padilha, e da Fazenda, Fernando Haddad.

    O saldo foi considerado positivo. A avaliação de assessores do governo, no entanto, é de que uma atuação direta do presidente se torna importante diante de um cenário de fim de “lua de mel”.

    Em início de governo, é comum que a relação entre os poderes Executivo e Legislativo seja menos turbulenta, devido a uma espécie de voto de confiança inicial.

    A partir do segundo ano, porém, as cobranças por resultados costumam ser maiores e, por isso, uma atuação do presidente passou a ser considerada essencial.

    Os aliados do governo lembram que, nos mandatos anteriores, o petista teve uma atuação mais direta junto ao Congresso Nacional.

    No ano passado, o presidente priorizou audiências com parlamentares petistas e com os presidentes da Câmara dos Deputados e do Senado Federal.

    Segundo levantamento feito pela CNN, os congressistas petistas foram os mais recebidos, seguidos por parlamentares do MDB e do PSD.

    A presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, por exemplo, aparece na agenda oficial do presidente dez vezes, mesmo número de audiências que o petista teve com Arthur Lira (PP-AL), presidente da Câmara dos Deputados.

    O presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), por sua vez, teve sete encontros com o petista. O líder do governo na Casa Legislativa, Jaques Wagner (PT-BA), foi o que teve mais espaço na agenda do presidente, com vinte e uma menções.

    Lula já acenou a assessores do governo disposição de, neste ano, se reunir com senadores de centro, entre eles os que hoje estão na oposição. A ideia é abrir um canal de diálogo para a tramitação de medidas econômicas e reformistas.