Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Lula quer manter Avibras com brasileiros; BNDES notifica empresa para entender venda a grupo australiano

    Considerada símbolo da indústria da defesa, empresa está em recuperação judicial e tem dívidas superiores a R$ 600 milhões

    Presidente Luiz Inácio Lula da Silva em Brasília
    Presidente Luiz Inácio Lula da Silva em Brasília 03/05/2024 - Reuters/Adriano Machado

    Gabriela Pradoda CNN

    Brasília

    O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) disse a ministros e assessores próximos que gostaria de manter a fabricante de equipamentos bélicos Avibras sob controle nacional.

    A empresa, considerada símbolo da indústria da defesa, está em recuperação judicial e tem dívidas superiores a R$ 600 milhões.

    O governo não tem poder de decisão sobre a empresa, que é 100% privada. No entanto, diante do avanço de negociações para a transferência do controle acionário ao grupo australiano DefendTex, Lula pediu a auxiliares para entender como estaria o andamento do negócio.

    A alternativa foi o Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

    O BNDES é credor de dívidas da empresa e acionou a Justiça para a Avibras prestar esclarecimentos.

    A CNN teve acesso a uma decisão do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP), da última quarta-feira (22), que determina que a Avibras apresente esclarecimentos em “caráter de urgência” ao banco sobre as tratativas de sociedade com a DefendTex.

    Lula convocou, no início deste mês, uma reunião sobre a empresa. O presidente quis ouvir de seus conselheiros o que enxergavam como caminho para a Avibras.

    Auxiliares relataram à CNN que o petista tem preocupações com os postos de trabalho gerados pela indústria e com a preservação da capacidade de inovação tecnológica da empresa em uma indústria considerada estratégica.

    Avibras

    Fundada em 1961 por um grupo de engenheiros do Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA), a Avibras foi uma das pioneiras no país na produção de equipamentos bélicos de ponta, como mísseis e lançadores de foguetes. A sede está em Jacareí (SP).

    A empresa é controlada e presidida por João Brasil Carvalho Leite, filho de um dos fundadores. O atual controlador detém 98% do capital.

    Além das dívidas, a empresa tem problemas trabalhistas. Em abril, a Avibras comunicou a existência de “tratativas avançadas” com o grupo australiano DefendTex.