Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Lula segura bandeira após poeta discursar sobre Palestina “livre e soberana” em evento

    Gesto acontece após polêmica envolvendo o presidente e guerra entre Israel e o Hamas

    Maria Clara Matosda CNN*

    São Paulo

    O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) posou para uma foto nesta segunda-feira (4) com uma bandeira da Palestina.

    A imagem foi registrada na 4ª Conferência Nacional da Cultura, realizada em Brasília.

    Lula estava ao lado da ministra da Cultura, Margareth Menezes, e do poeta pernambucano Antônio Marinho, que trouxe o assunto à tona. A fotografia foi tirada após discurso de Marinho.

    “Se é aquele que vive confirmando a bravura do sangue nordestino e pediu pelo povo palestino pela paz pelo fim do genocídio. Eu nem leio os ditames do dissídio. Eu só quero saber onde eu assino. Viva o povo palestino livre e soberano. Abaixo o genocídio. Viva a paz e o amor. Viva Luiz Inácio Lula da Silva”, disse.

    Após o discurso, o poeta estendeu a bandeira e cumprimentou Lula. Tanto o presidente como a ministra da Cultura abriram a bandeira para posar para uma foto ao lado do artista.

    Entenda a questão entre Lula, Palestina e Israel

    Em fevereiro deste ano, Lula comparou o conflito no Oriente Médio com o que aconteceu durante a perseguição de Adolf Hitler ao povo judeu na segunda guerra mundial.

    “O que está acontecendo na Faixa de Gaza com o povo palestino não existiu em nenhum outro momento histórico. Aliás, existiu. Quando Hitler resolveu matar os judeus”, disse Lula em uma coletiva de imprensa no continente africano.

    As declarações do presidente resultaram no título de “persona non grata” concedido pelo governo israelense até que o chefe do executivo brasileiro se retrate pelas falas.

    Mesmo com a ofensiva, Lula voltou a defender o a ideia de que o governo de Israel estaria praticando um genocídio contra o povo palestino, afirmando que Israel estaria matando mulheres e crianças. O conflito escalou no Oriente Médio após o grupo radical Hamas atacar Israel em 7 de outubro.