Maguito Vilela, prefeito eleito de Goiânia, tomará posse em leito de UTI

Prefeito eleito da capital de Goiás está internado desde o início de outubro em São Paulo para tratar complicações decorrentes da Covid-19

Guilherme Venaglia, da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

 

A Câmara Municipal de Goiânia autorizou nesta semana que o prefeito eleito da cidade, Maguito Vilela (MDB), tome posse no cargo de forma virtual e a uma distância considerável — Vilela está a 930 quilômetros do legislativo goianiense, internado na UTI do Hospital Albert Einstein, em São Paulo.

Aos 71 anos, o emedebista está internado desde o começo de outubro no hospital, se tratando de complicações decorrentes do novo coronavírus. Vilela passou a maior parte dos últimos meses sedado, incluindo quando avançou ao segundo turno e foi escolhido para comandar a cidade na votação contra Vanderlan Cardoso (PSD), quando obteve 277.497 votos (52,6%)

Neste momento, o prefeito eleito de Goiânia tem “longos períodos de despertar”, segundo o boletim médico. Maguito Vilela, no entanto, segue com ventilação mecânica e ainda não está conseguindo falar. Pela resolução aprovada, ele poderá ser empossado através de uma videochamada, na qual fará gestos para sinalizar a concordância com os termos a serem assinados.

Assista e leia também:

21 capitais mantêm posses presenciais mesmo na pandemia da Covid-19

Confira a lista dos prefeitos eleitos nas capitais brasileiras

Prefeito eleito de cidade no RS morre de Covid-19 a quatro dias de tomar posse

A expectativa é que, uma vez empossado, ele se licencie para concluir o tratamento. Nesse caso, a capital goiana seria administrada interinamente pelo vice-prefeito eleito, Rogério Cruz (Republicanos), que também tomará posse nesta sexta-feira.

Luis Alberto Maguito Vilela, conhecido apenas como Maguito Vilela, foi deputado estadual, deputado federal, vice-governador, governador de Goiás entre 1995 e 1998 e senador. Seu último cargo na política foi também o de prefeito, mas o da vizinha Aparecida de Goiânia (GO), que administrou entre 2009 e 2016.

Mais Recentes da CNN