Marinho: Nordeste não é de nenhum partido e será ‘emancipado’ por Bolsonaro

Ministro do Desenvolvimento Regional afirma que obras de saneamento básico que promove na região permitirão driblar dificuldade histórico com a seca

Guilherme Venaglia, da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

O ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, afirmou considerar natural o aumento de popularidade do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) no Nordeste e argumentou que a região “não é patrimônio de um partido político”.

Em entrevista à CNN, ele foi questionado se as políticas recentes, que miram a região, foram capazes de reverter em favor de Bolsonaro uma popularidade que tradicionalmente era confiada ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e ao PT na região.

“O Nordeste não é nem nunca foi patrimônio de um partido político”, disse Marinho, argumentando que a questão é estrutural e que a intenção do governo Bolsonaro não é “continuar esse processo de dependência” e sim “emancipar a região”

Sem citar o auxílio emergencial, ele coloca um projeto do seu ministério como o responsável por essa “emancipação”.

“O Nordeste é uma região que historicamente é acometida por um fenômeno climático, que é a seca, em função da sua posição geográfica, que está no semiárido do nosso país”, argumenta.

“O que acontece é que o presidente Bolsonaro entendeu e tem essa convicção de que nós temos que ter políticas públicas de emancipação daquela região e que essa emancipação se dá através da segurança hídrica.”

O ministro Rogério Marinho foi entrevistado pelos âncoras Monalisa Perrone e Caio Junqueira e pelos colunistas Fernando Molica, Iuri Pitta, Thaís Arbex e Thaís Herédia.

Teto de gastos

O financiamento para obras de saneamento básico no Nordeste foi parte da controvérsia recente a respeito do teto dos gastos públicos.

Em uma transmissão ao vivo nas redes sociais realizada em agosto, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) admitiu que ‘a ideia de furar o teto existe’ e citou um argumento de que obras para saneamento estariam relacionadas com a saúde e portanto poderiam estar inseridas nos gastos extraordinários com a pandemia.

Assista e leia também:

Marinho nega divergência com Guedes e diz que há unidade no governo sobre gastos

Maia tem almoço com equipe de Guedes cancelado e só vai dialogar com Planalto

‘Isso é de impacto lá atrás. Estamos decolando em V’, diz Guedes sobre PIB

O presidente também citou, na mesma oportunidade, que o ministro da Economia, Paulo Guedes, era contra essa ideia. “O Paulo Guedes fala que está sinalizando para a economia que está furando o teto, está dando um jeitinho”, afirmou.

Durante a entrevista desta sexta-feira, Rogério Marinho afirmou que há unidade no governo a respeito dos gastos públicos.

Segundo Marinho, tanto ele quanto Guedes defendem um investimento majoritariamente privado e a aprovação de reformas que reduzam os custos obrigatórios e permitam a expansão dos gastos públicos.

Mais Recentes da CNN