Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Mauro Cid diz passar por problemas financeiros e que Bolsonaro e generais ficaram milionários

    Ex-ajudante de ordens afirma estar enclausurado e ter engordado dez quilos

    Daniel Trevorda CNN

    Brasília

    Antes de ser preso nesta sexta-feira (22), o tenente-coronel Mauro Cid fez uma série de lamentos pessoais durante o depoimento que prestou por uma hora e meia no Supremo Tribunal Federal (STF).

    O ex-ajudante de ordens do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) disse que engordou, está sensível, e que os amigos passaram a tratá-lo como “leproso”.

    No depoimento, o militar reclamou da situação financeira que enfrenta atualmente em comparação com outros envolvidos na investigação.

    “Milionários”

    Questionado sobre o que ele quis dizer em um dos áudios vazados, no qual ele diz “que todos se deram bem e ficaram milionários”, Cid afirmou que se referia a Bolsonaro — que ganhou transferências via Pix de apoiadores — e aos generais envolvidos na investigação, que agora estão na reserva.

    O ex-ajudante de ordens de Bolsonaro deixou claro que perdeu tudo e que a carreira está desabando. Ele afirmou que não é político, não é militar e gostaria de ter a vida de volta. Mauro Cid ainda afirmou que está enclausurado e que engordou cerca de 10 quilos.

    O oficial, no depoimento, disse que está sofrendo uma exposição midiática muito grande — o que prejudica suas relações — e que os amigos parecem tratá-lo como “leproso” e querem distância para não se prejudicarem.

    Mauro Cid afirmou que os áudios foram um desabafo e negou que tenha sido coagido. Sobre ter dito que os policiais tinham uma “narrativa pronta”, o militar explicou que isso se referia à “linha de investigação”, que era diversa de sua “versão dos fatos”.

    Tópicos

    Tópicos