Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Mauro Cid tentou vender Rolex recebido em viagem oficial, revelam e-mails

    Em troca de e-mails obtida pela CPMI do 8/1, ex-ajudante de ordens disse que não tinha certificado de garantia, já que o relógio foi recebido como presente em viagem oficial

    Tenente-coronel Mauro César Barbosa Cid em depoimento à CPMI do 8 de janeiro
    Tenente-coronel Mauro César Barbosa Cid em depoimento à CPMI do 8 de janeiro Foto: Roque de Sá/Agência Senado

    Pedro Nogueirada CNN

    em Brasília

    O tenente-coronel Mauro Cid, ex-ajudante de ordens de Jair Bolsonaro (PL), tentou vender um relógio de luxo recebido em viagem oficial ao Reino da Arábia Saudita.

    A informação consta de documentos recebidos pela Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) do 8 de janeiro.

    Veja também: Uribe: E-mail aponta que pedras preciosas a Bolsonaro tinham que ser “entregues em mão” a Cid

    Em troca de e-mails obtida pela CPMI, um interlocutor responde a Mauro Cid agradecendo pelo interesse em vender o relógio, e questiona se a peça tem certificado de garantia original.

    O remetente explica, ainda, que o mercado para relógios da marca Rolex usados está em baixa, já que o valor de produção é muito elevado.

    Cid responde que não possui certificado, já que o relógio foi recebido como presente em viagem oficial, mas garante que a peça nunca foi usada e estima seu valor em US$ 60 mil (quase R$ 300 mil pela cotação atual do dólar).

    Veja também: Uribe: Comissão de Ética instaura investigação contra auxiliares de Bolsonaro em caso das joias

    O relógio da marca Rolex é descrito como um modelo Oyster Perpetual Day Date em ouro branco, platina e diamantes, com pulseira modelo Presidente, caixa em madrepérola e diamantes.

    De acordo com registros do Gabinente Adjunto de Documentação Histórica, também obtidos pela CPMI, o relógio foi oferecido pelo rei Salman Bin Abdulaziz al Saud, da Arábia Saudita, durante visita oficial em outubro de 2019.

    Veja também: Painel CNN: Deputados debatem participação de Mauro Cid no caso das joias

    A investigação prossegue em busca de detalhes que ainda não foram esclarecidos pela troca de e-mails.

    As mensagens não deixam clara a identidade do interlocutor que faria a ponte para a venda. Além disso, não há indicações se a conversa foi adiante para concluir a negociação ou se foi deixada de lado.

    Os conteúdos não citam o ex-presidente Jair Bolsonaro e não indicam se a troca é feita em nome do mandatário.

    Nessa viagem, a comitiva presidencial recebeu dois conjuntos de joias: um em ouro rose da marca Chopard, composto um rosário árabe, um relógio com pulseira em couro; um par de abotoaduras; uma caneta rose gold e um anel. O outro, composto por um colar, um anel, um relógio e um par de brincos de diamantes.

    Em nota, a defesa de Mauro Cid disse que não pode “fazer qualquer manifestação” porque não teve acessos aos documentos da CPMI “em que tais mensagens de e-mail teriam sido trocadas”. “Isso nos impede de comentar o assunto”.

    FOTOS – Joias e presentes recebidos no governo Bolsonaro