MEC libera R$ 160 milhões para pagamento de bolsas de estudo

Em publicação no Twitter, ministro da Educação afirma que a expectativa é de mais liberações financeiras

Marcelo Camargo/Agência Brasil

Isabela Filardida CNN

Em São Paulo

O ministro da Educação, Victor Godoy, anunciou nesta sexta-feira (9) que o Ministério da Educação (MEC) repassou R$ 160 milhões para a Capes, que já iniciou o pagamento das bolsas de pós-graduação. O anúncio foi feito pela sua conta do Twitter.

De acordo com a publicação, os recursos estarão nas contas dos bolsistas até terça-feira (13).

Godoy também declarou que a expectativa é de mais liberações financeiras e orçamentárias para o MEC nas próximas semanas.

“Nas próximas semanas a expectativa é de mais liberações financeiras e orçamentárias para o MEC. Iremos honrar todos os compromissos e deixar um grande legado, especialmente para a alfabetização e recuperação das aprendizagens”, disse.

Na quinta-feira (8), o ministro declarou a liberação de R$ 460 milhões para despesas discricionárias da educação e ressaltou que R$ 300 milhões já foram viabilizados para o repasse de recursos às entidades do MEC.

Em nota, a Capes confirmou o recebimento de R$ 50 milhões para pagamento da totalidade das bolsas dos programas.

Pautada pelo princípio da transparência na relação com a comunidade acadêmica, a Capes torna público que acaba de obter, junto ao Ministério da Educação (MEC), a destinação de R$ 50 milhões. Tal valor será imediatamente utilizado para pagamento da totalidade das bolsas dos programas destinados à formação de professores para a educação básica, conforme prioridade decidida pela Presidência da Instituição”, disse a fundação.

Cortes na Educação

Na segunda-feira (28), faltando pouco mais de um mês para o término do ano, o governo federal promoveu um bloqueio de verbas destinadas ao Ministério da Educação (MEC).

Diversas universidades federais relataram os impactos do bloqueio, entre elas: Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Universidade Federal da Bahia (UFBA), Universidade Federal de Goiás (UFG) e Universidade Federal da Paraíba (UFPB).

*Com informações de Gabriel Ferneda