Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Eleições 2022

    Ministério da Justiça pede à PF abertura de inquérito sobre atuação dos institutos de pesquisa

    Em publicação nas redes sociais, Anderson Torres afirma que pedido atende à representação recebida pelo MJSP que aponta "condutas que, em tese, caracterizam a prática de crimes perpetrados" por alguns dos institutos

    Da CNN

    O ministro da Justiça, Anderson Torres, encaminhou à Polícia Federal (PF) um pedido de abertura de inquérito sobre a atuação dos institutos de pesquisas eleitorais.

    Em publicação nas redes sociais, Torres afirma que o pedido atende à representação recebida pelo Ministério da Justiça e Segurança Pública (MJSP) que aponta “condutas que, em tese, caracterizam a prática de crimes perpetrados” por alguns dos institutos.

    Logo que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) anunciou o segundo turno das eleições presidenciais — a ser disputado por Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Jair Bolsonaro (PL) — os aliados do atual presidente começaram a questionar as pesquisas eleitorais que subestimavam o desempenho do segundo colocado.

    Na última projeção realizada pelo instituto Ipec, por exemplo, divulgada no dia anterior às eleições, Bolsonaro tinha 37% das intenções de voto. No levantamento feito pelo Datafolha na mesma data, o mandatário tinha 36% das intenções. Em ambos os casos, a margem de erro era de dois pontos percentuais.

    Nas urnas, o candidato do PL recebeu 43,2% dos votos.

    Pesquisas nas vésperas da eleição de 2022
    Pesquisas nas vésperas da eleição de 2022 / Arte CNN

    Um dos pontos pode explicar a divergência, de acordo com especialistas, é o conceito de “voto útil” — segundo o qual o eleitor vota de forma estratégica em um candidato que não necessariamente é a sua primeira opção.

    Outra possibilidade levantada é de que a divergência nos resultados tenha sido provocada por questões de metodologia.

    À CNN, o Datafolha afirmou que se manifestará somente quando o pedido de abertura de inquérito for oficializado. O instituto RealTime Big Data informou que não tem um posicionamento sobre o assunto.

    Já o Ipespe citou o artigo “Sobre pesquisas e resultados ou quem errou o quê”, publicado nesta terça-feira (4) pelo cientista político Antônio Lavareda, que defende a credibilidade dos institutos e critica a exploração dos “votos válidos” em pesquisas eleitorais.

    Em nota, o Ipec afirmou que “vê com muita tranquilidade qualquer procedimento que vise dar transparência sobre seu trabalho, pois atua com valores e princípios éticos que pautam sua conduta empresarial e profissional, adotando padrões internacionalmente reconhecidos nos métodos utilizados em suas pesquisas”.

    “Além disso, o processo de execução das pesquisas realizadas pelo Ipec, incluindo as de intenção de voto, é rastreável, registrado eletronicamente da coleta do dado ao seu processamento, visando à integridade do dado coletado”, complementa a nota.

    A CNN também entrou em contato com o Quaest, AtlasIntel, PoderData, Ideia, MDA, Paraná Pesquisas e FSB, além da Associação Brasileira das Empresas de Pesquisa (Abep).

     

    *Com informações de Bárbara Brambila, Carolina Cerqueira, Daniel Reis, Danilo Moliterno, Marcello Sapio e Renata Souza, da CNN