Ministro da Justiça sugere reunião com Congresso sobre dossiê em seu gabinete

Comissão Mista de Controle de Atividades de Inteligência do Congresso tenta ouvir André Mendonça sobre o trabalho da Secretaria de Operações Integradas da pasta

Igor Gadelhada CNN

Ouvir notícia

O ministro da Justiça, André Mendonça, ofereceu seu próprio gabinete na pasta como local para uma reunião fechada com parlamentares sobre o trabalho da Secretaria de Operações Integradas do ministério. 

A secretaria é apontada como a responsável por elaborar um suposto relatório de inteligência com informações de servidores públicos ligados a movimentos contrários ao governo federal, segundo reportagem do UOL.

Desde a publicação da matéria, a Comissão Mista de Controle de Atividades de Inteligência do Congresso tenta ouvir Mendonça sobre o assunto. O ministro, porém, quer que o encontro seja fechado, por se tratar de tema sigiloso.

Leia também:

André Mendonça exonera diretor de órgão de inteligência do Ministério da Justiça

No entendimento do Ministério da Justiça, para ser, de fato, fechada, a reunião de Mendonça com deputados e senadores deve acontecer presencialmente, não podendo sequer ocorrer por videoconferência.

O presidente do Congresso, Davi Alcolumbre (DEM-AP), porém, resiste a autorizar a reunião presencial. Teme abrir precedente para que outras comissões peçam para realizar encontros presenciais durante a pandemia.

Com o impasse, Mendonça conversou nesta segunda-feira (3) com o presidente da comissão mista, senador Nelsinho Trad (PSD-MS), quando sugeriu que a reunião ocorresse em seu próprio gabinete no ministério.

Segundo interlocutores, o ministro ainda aguarda resposta dos deputados e senadores sobre a reunião em seu gabinete. Até o início da manhã desta terça-feira (4), porém, ainda não havia definição.

Até então, expectativa dos integrantes da comissão mista era conversar com o ministro da Justiça sobre o dossiê nesta terça-feira (4). Diante de todo o impasse sobre o formato do encontro, a reunião acabou sendo cancelada.

Mais Recentes da CNN