Molica: Bolsonaro usa Fundo Eleitoral para reforçar ‘antipolítica’ com eleitores

No quadro Liberdade de Opinião, jornalista Fernando Molica analisou declarações do presidente da República sobre possível veto a Fundo Eleitoral

Da CNN, em São Paulo

Ouvir notícia

No quadro Liberdade de Opinião desta terça-feira (20), Fernando Molica repercutiu a declaração do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), que afirmou que irá vetar o Fundo Eleitoral de quase R$ 6 bilhões. O presidente, que chamou o valor de astronômico, disse que vai respeitar os trabalhadores e contribuintes brasileiros. 

“Esse valor só foi aprovado depois de uma série de acordos, que foram avalizados pelo presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), que negociou esse valor com outras lideranças da Casa, com o Centrão, e tinha uma aprovação tácita do Palácio do Planalto — o Planalto talvez não soubesse o valor, mas o Arthur Lira tinha autonomia para estabelecê-lo, que acabou sendo alto demais”, avaliou o jornalista.

“Quando diz que deverá vetar, ele joga para o eleitor. Sabe que esse tipo de verba nesse valor choca muito os eleitores e também reforça o seu discurso contra a política. É como se ele estivesse de um lado e os políticos do outro; como se ele, Jair Bolsonaro, não fosse um político de sete mandatos como deputado federal e, agora, como presidente da República”, disse Molica.

“A ideia é se pode se colocar na Lei Orçamentária de Diretrizes (LDO) um valor que não estava previsto, mas isso tem que ser bem negociado com o Congresso para não dar problema lá na frente e ele irritar o Congresso, o Arthur Lira e o Centrão, pois isso seria fatal para o presidente da República.”

O Liberdade de Opinião tem a participação de Fernando Molica e Alexandre Garcia. O quadro vai ao ar diariamente na CNN.

Fernando Molica no quadro Liberdade de Opinião
Fernando Molica no quadro Liberdade de Opinião
Foto: CNN Brasil (20.jul.2021)

As opiniões expressas nesta publicação não refletem, necessariamente, o posicionamento da CNN ou seus funcionários.

Mais Recentes da CNN