Prime Time

seg - sex

Apresentação

Ao vivo

A seguir

    Moraes nega novo pedido de adiamento do depoimento de Bolsonaro

    Depoimento está marcado para esta quinta-feira (22)

    Defesa de Bolsonaro disse que ele ficará em silêncio no depoimento da PF
    Defesa de Bolsonaro disse que ele ficará em silêncio no depoimento da PF REUTERS/Bernadett Szabo

    Gustavo UribeJoão Rosada CNN

    Brasília

    O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou o pedido realizado pela defesa do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) de adiar o depoimento dele na Polícia Federal (PF) sobre a investigação que apura suposta tentativa de golpe de Estado.

    O depoimento está marcado para esta quinta-feira (22). Moraes determinou que a PF mantenha a data da oitiva.

    Nesta terça-feira (20), a defesa do ex-presidente pediu a Moraes, relator da apuração no Supremo Tribunal Federal (STF), que Bolsonaro seja dispensado do comparecimento pessoal na PF.

    No pedido, os advogados entenderam que não tiveram “acesso integral” a elementos da investigação, “impossibilitando o exercício pleno da ampla defesa”.

    Ao recusar o pedido de Bolsonaro, Moraes ressaltou que os advogados já tiveram acesso integral aos elementos de investigação, incluindo a delação premiada do ex-ajudante de ordens de Bolsonaro, tenente-coronel Mauro Cid.

    “[A defesa] insiste nos mesmos argumentos já rejeitados em decisão anterior, onde ficou absolutamente claro que o investigado teve acesso integral à todas as diligências efetivadas e provas juntadas aos autos e que não há motivos para qualquer adiamento do depoimento marcado pela Polícia Federal para o dia 22 de fevereiro próximo”, afirma a decisão.

    Além do ex-chefe do Executivo, também serão ouvidos, simultaneamente, outras 13 pessoas, ente elas os ex-ministros Braga Netto, Augusto Heleno e Anderson Torres.

    A defesa de Bolsonaro disse que ele ficará em silêncio no depoimento da PF.